Mulher de Kirchner é seu principal apoio político

Os números mostram que Néstor Kirchner, de 53 anos, o primeiro presidente argentino oriundo da Patagônia, iniciará seu governo com o problema de armar consensos para manter a governabilidade, mas a população o apóia e votaria nele se o segundo turno tivesse ocorrido ontem. Sua mulher, Cristina, é considerada o principal apoio político, já que ela também seguiu a mesma carreira do marido (Direito) e tem tido uma passagem atuante no Senado. A mesma classificação de "brava" que a primeira dama brasileira, Marisa, recebeu no Brasil, foi dada à Cristina. Em 1987, Kirchner foi eleito prefeito de sua cidade natal, Rio Gallegos, capital da província de Santa Cruz, onde desenvolveu um plano de obras públicas coordenado com políticas sociais. Assumiu o governo da província de Santa Cruz em 1991 e foi reeleito em 1995, com 62% dos votos. Em 1999, Kirchner conseguiu seu terceiro mandato como governador, com 52% dos votos.Néstor Kirchner tem fama de ser autoritário e brigão, mas também de bom administrador. Sua província apresenta bons índices econômicos, como o desemprego de apenas 3,5%, e sociais, como 9% de pobreza. Opositores, aliados e a população em geral são unânimes em dizer que a futura primeira dama tem "caráter forte" e um "alto poder de influência" sobre suas decisões pessoais e políticas. Segundo os rumores, o primeiro discurso de Kirchner, no dia da renúncia de Carlos Menem, que provocou tantas críticas nos mercados, foi escrito com a ajuda de Cristina. Quem conhece o casal afirma que ambos são muito parecidos não só do ponto de vista das convicções políticas, mas no caráter: firmes, autoritários, e que não se deixam levar por pressões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.