Mulher de Mubarak é libertada, mais ainda será investigada

A esposa do presidente deposto do Egito foi libertada nesta terça-feira depois de dar ao Estado as suas propriedades, mas ainda será investigada, disse a autoridade responsável pelo inquérito que investiga se ela acumulou riqueza ilegalmente.

REUTERS

17 de maio de 2011 | 18h38

Suzanne Mubarak, que nega as acusações de que ela abusou da influência do seu marido para obter ganhos pessoais ilegais, foi levada ao hospital na sexta-feira por conta de sintomas de um ataque cardíaco. Ela foi detida no mesmo hospital que o seu marido.

O ex-presidente Hosni Mubarak, 83, também está sendo investigado por abuso de poder, peculato e por ter responsabilidade nas mortes de manifestantes durante os 18 dias de protestos que culminaram com a sua deposição no dia 11 de fevereiro. Ele segue detido.

"Suzanne Mubarak foi libertada depois de ter dado ao Estado o seu patrimônio avaliado em 24 milhões de libras egípcias (4 milhões de dólares), mas a investigação ainda está pendente", disse Assem el-Gohari, chefe da autoridade de ganhos ilícitos, para a rádio estatal.

A rede de televisão estatal e o jornal local citaram fontes locais dizendo que Hosni Mubarak iria se desculpar aos egípcios e devolver o seu patrimônio para a nação. No entanto, uma autoridade militar disse à Reuters que a informação não é verdadeira.

(Por Yasmine Saleh e Sarah Mikhail)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOMUBARAKMULHER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.