Reuters
Reuters

Mulher de Mubarak é libertada, mas aguarda julgamento

Ex-presidente egípcio estaria escrevendo uma carta pedindo perdão a cidadãos

, Agência Estado e Efe

17 de maio de 2011 | 10h52

CAIRO - O Ministério de Justiça do Egito ordenou nesta terça-feira, 17, a libertação sem fiança da mulher do ex-presidente Hosni Mubarak, disse um funcionário do Judiciário.

 

Suzanne Mubarak, de 70 anos, entregou ao Estado seu dinheiro e sua propriedade, em um total estimado em 24 milhões de libras egípcias (US$ 4 milhões), segundo autoridades. Com isso, busca resolver as denúncias de corrupção contra ela, mas ainda assim será julgada.

Os promotores disseram que a mulher de Mubarak tinha milhões de dólares em contas bancárias no Egito e era dona da propriedade onde vivia com seu marido. Não está claro quanto dinheiro o casal tinha no exterior. O ex-presidente está detido desde o mês passado, acusado de abuso de poder e de ordenar ataques contra manifestantes durante o levante de 18 dias que o tirou do cargo, em fevereiro.

 

Carta de perdão

 

Mubarak está preparando uma carta para pedir perdão ao povo egípcio pelos danos causados em sua gestão no governo do país, informou o jornal "Al Shoruq".

 

Segundo a publicação independente, que cita fontes egípcias e árabes oficiais que solicitaram anonimato, é possível que Mubarak grave a leitura da carta e a divulgue pela televisão.

 

Um prestigiado jornalista egípcio estaria preparando a estrutura da carta, segundo o "Al Shoruq", que acrescenta que esta mesma pessoa teria colaborado na elaboração do discurso do dia 2 de fevereiro, com o qual Mubarak tentou ganhar a simpatia do povo.

 

No texto, o ex-governante lembrará aos cidadãos que "um dia foi um soldado combatente nas fileiras das Forças Armadas para defender sua pátria e que não esperava o posto de presidente".

 

Mubarak se desculpará também por sua família e, sobretudo, por sua mulher, Suzanne Zabet, internada no hospital de Sharm el-Sheikh, na costa do Mar Vermelho, após sofrer uma crise cardíaca quando soube de sua ordem de prisão por suposto enriquecimento ilícito.

 

O ex-presidente afirmará que "tentou, como podia, assumir as responsabilidades deste posto (de presidente) e que sua mulher colaborou em trabalhos caridosos a fim de servir aos cidadãos egípcios", relata o "Al Shoruq".

 

Uma versão divulgada pelo jornal El-Shorouk afirma que Mubarak planeja buscar uma anistia, em troca da entrega de todos seus bens. A versão cita funcionários egípcios e de outros países árabes, mas não pode ser verificada de maneira independente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.