Francois Mori / AP
Francois Mori / AP

Justiça de Israel acusa mulher de Netanyahu de fraude e abuso de confiança

Sara Netanyahu responde por acusações de desvio de recursos públicos ao solicitar centenas de refeições para a residência oficial do premiê, avaliadas em mais de US$ 100 mil

O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2018 | 09h32

JERUSALÉM - A Justiça de Israel acusou nesta quinta-feira, 21, Sara Netanyahu, mulher do primeiro-ministro, Binyamin Netanyahu, de uma série de delitos que incluem fraude e abuso de confiança.

+ Bibi é criticado por servir sobremesa em 'sapato' a premiê japonês

+ Polícia de Israel interroga novamente Netanyahu por suposto caso de corrupção

Sara é acusada de desviar recursos públicos ao solicitar centenas de refeições para a residência oficial do premiê, avaliadas em mais de US$ 100 mil, alegando de forma fraudulenta que entre os funcionários da casa não havia cozinheiros, explicou o Ministério de Justiça de Israel em um comunicado.

+ Polícia vai à residência de Netanyahu para ouvir depoimento de premiê sobre casos de corrupção

+ Entenda os escândalos nos quais Netanyahu está envolvido

A mulher de Netanyahu enfrenta há anos acusações de comportamento abusivo e de viver de forma extravagante e sem contato com a realidade do país. Um ex-subdiretor da residência do premiê também é acusado de envolvimento no caso.

Binyamin Netanyahu também está envolvido em várias investigações policiais por suposta corrupção. Ele nega ter cometido qualquer delito e qualifica as acusações contra ele e sua mulher de “caça às bruxas” pelos meios de comunicação.

Em um dos casos, o premiê e membros de sua família são suspeitos de ter recebido US$ 285 mil em produtos de luxo, champagne e joias de personalidades ricas em troca de favores financeiros ou pessoais.

Em outra acusação, os investigadores suspeitam que o primeiro-ministro tentou chegar a um acordo com o proprietário do jornal Yediot Aharonot, um dos principais diários israelenses, para obter uma cobertura mais favorável.

Apesar dos casos nos quais está envolvido, as pesquisas de opinião mostram que o partido de Netanyahu, o conservador Likud, seguiria sendo o mais representado no Parlamento se as eleições previstas para novembro de 2019 fossem realizadas neste momento. / AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.