Mulher de opositor é queimada viva no Zimbábue

Jornal britânico 'The Times' afirma que milícia ligada ao presidente Mugabe agride e mata ex-professora

Agências internacionais,

12 de junho de 2008 | 13h45

A mulher de Patson Chipiro, líder do partido Movimento para a Mudança Democrática (MCD, sigla em inglês) no distrito de Mhondoro, foi assassinada por membros da milícia ligada ao governo do presidente Robert Mugabe. Segundo a edição do jornal britânico The Times desta quinta-feira, 12, Dadirai foi trancada em uma casa e queimada viva, a segunda mulher de um membro da oposição assassinada por militantes do partido governista Zanu (PF).   Veja também: Documentos mostram campanha militar pró-Mugabe no Zimbábue  Rival de Mugabe é preso pela 3ª vez em duas semanas   De acordo com o jornal, sete homens invadiram a residência do casal em busca de Patson Chipiro, mas só encontraram a sua mulher, Dadirai. Os membros da milícia então "cortaram uma de suas mãos e seus dois pés", jogaram-na na casa trancada e "lançaram uma bomba de gasolina pela janela". O médico responsável pela autópsia afirmou que a mulher morreu de "hemorragia e ferimentos graves".   A atrocidade cometida na última sexta-feira, uma das mais cruéis cometidas pelo governo de Robert Mugabe desde a independência do Reino Unido, em 1980, é parte da onda de violência que atingiu o país após as eleições presidenciais em que o opositor Morgan Tsvangirai venceu e disputa o segundo turno com o presidente.   A ex-professora de 45 anos foi a segunda mulher de oficiais do partido opositor queimada viva por militantes do partido governista Zanu (PF). Pamela Pasvani, uma gestante de 21 anos e mulher de um líder local de Harare, não sofreu mutilações, mas morreu por conta da gravidade das queimaduras; sua filha de 6 anos morreu nas chamas. Chipiro chegou da capital, Harare, e encontrou a casa em chamas. "Tentei apagar o fogo", contou. "Pensei que minha mulher estava escondida nos arbustos". Sua sobrinha de quatro anos Admire, ouviu os chamados do tio e contou "eles correram atrás de mim. Bateram na titia e atearam fogo nela."   A oposição, diplomatas estrangeiros e grupos de direitos humanos internacionais acusaram Mugabe de orquestrar uma série de atos violentos contra os partidários de Tsvangirai para garantir a vitória da situação. O governo local e o porta-voz do partido de Mugabe várias vezes negaram as acusações.   Mugabe está no poder desde 1980, quando o país tornou-se independente do Reino Unido. Inicialmente considerado um dos heróis da independência, nos últimos anos passou a ser acusado por usar fraudes eleitorais e intimidação para perpetuar-se no cargo e também por abusos aos direitos humanos.   O atual líder também é acusado pela crise econômica vivida pelo país. Muitas terras foram tomadas - em vários casos de forma violenta - de fazendeiros brancos, mas depois foram mal cuidadas e a produção agrícola, chave para o país, caiu bastante. Mugabe afirma que ordenou as tomadas de fazendas, iniciadas em 2002, para auxiliar os negros pobres. Mas muitas das propriedades ficaram nas mãos de seus aliados.

Mais conteúdo sobre:
Zimbábue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.