Mulher de Tony Blair diz que jornalistas não têm ética

Cherie Blair, mulher do primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, fez um duro ataque contra a imprensa ao afirmar que "não há moral profissional no jornalismo", segundo o dominical The Independent On Sunday. Cherie, que normalmente goza de pouca benevolência por parte dos jornais britânicos, expressou essa opinião durante uma palestra realizada na quarta-feira na Roehampton University de Londres. Diante de um auditório formado por estudantes de jornalismo, a prestigiosa advogada disse que esse ofício "não é uma profissão nobre" e que os comunicadores "não têm ética". Em uma tentativa de minimizar a questão, uma porta-voz de Cherie explicou depois que "a senhora Blair só se fez de advogado do diabo para estimular a discussão entre os estudantes". Cherie, que foi à universidade para inaugurar um centro de direitos humanos, foi convidada para participar de uma palestra do reitor de Roehampton, John Simpson, ex-diretor da editoria internacional da rede pública BBC. Simpson se recusou a entrar na polêmica, mas um dos estudantes presentes, Lya Pfaffli, expressou sua surpresa pela "falta de tato e diplomacia" da esposa do primeiro-ministro, já que "estava em uma sala com pelo menos três jornalistas de reputação ética".

Agencia Estado,

26 Novembro 2006 | 18h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.