Jim Wilson/The New York Times
Jim Wilson/The New York Times

Mulher do autor de massacre em Orlando é declarada inocente

Noor Salman era acusada de obstrução da justiça e cumplicidade no ataque conduzido por seu marido, Omar Mateen, à boate Pulse

O Estado de S.Paulo

30 Março 2018 | 12h24

MIAMI - A mulher de Omar Mateen, autor do massacre em uma casa noturna voltada para o público LGBT em Orlando, que deixou 49 mortos em 2016, foi declarada “não culpada” nesta sexta-feira, 30, de cumplicidade no pior atentado terrorista nos EUA desde 11 de setembro de 2001, segundo a imprensa local.

+ Pai do autor de massacre em Orlando era informante do FBI

+ Artigo: Nos EUA, terroristas preferem armas a carros

Noor Salman, de 31 anos, era acusada de obstrução da justiça e cumplicidade no ataque em nome do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) conduzido por seu marido à boate Pulse, no dia 12 de junho de 2016. A ação deixou cerca de 500 feridos e Mateen foi morto pela polícia.

+ Um ano após massacre em Orlando, feridas dos parentes das vítimas ainda não cicatrizaram

+ Boate Pulse, em Orlando, vai reabrir como memorial às 49 vítimas de massacre

“Fez-se justiça”, disse o advogado de defesa, Charles Swift, de acordo com uma emissora afiliada da CBS. Os 12 membros do júri começaram a debater na tarde de quarta-feira sobre o julgamento que começou no dia 3 em um tribunal de Orlando, na Flórida.

A defesa argumentou que Noor tem um baixo coeficiente intelectual, é infantil e estava dominada por um marido abusivo. Também afirmou que a confissão que ela fez ao FBI no dia do ataque, na qual admitiu que sabia que Mateen iria realizar o ataque, foi feita sob coerção do agente que a interrogou.

“Por que Omar Mateen iria confiar em Noor, uma mulher que ele claramente não respeitava?”, questionou a advogada Linda Moreno aos jurados em sua alegação final na quarta-feira, de acordo com o jornal Orlando Sentinel. “Ela não era sua companheira, não era sua confidente.”

Durante o julgamento, foi revelado que Omar Mateen, na realidade, queria atacar a Disney - o principal parque temático da cidade - ao esconder uma arma em um carrinho de bebê, mas desistiu em razão da grande quantidade de policiais que estavam no local naquele dia. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.