Mulher é condenada à morte na Nigéria por ter relações antes de casar

O presidente da Nigéria, Olusegun Obasanjo, disse que irá chorar se for executada sentença contra uma mãe solteira condenada à morte por apedrejamento por ter um filho sem estar casada. Mas ele afirmou acreditar que o sistema judiciário derrubará a sentença contra ela. Os comentários de Obasanjo, feitos na noite de sábado, parecem confirmar que ele não pretende interferir diretamente no caso, apesar dos protestos internacionais contra a sentença.Esta foi a primeira vez que o presidente nigeriano falou sobre o caso de Amina Lawal desde que uma corte islâmica de Funtua, no norte do país, rejeitou na última semana um recurso da ré contra a sentença de morte, adotada com o pretexto de ela ter mantido relações sexuais fora do casamento. "Não creio que o que está acontecendo resultará na morte dela", disse Obasanjo a jornalistas. "Se acontecer, o que eu duvido muito, eu chorarei por Amina e pela Nigéria."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.