Susan Walsh/AP
Susan Walsh/AP

Mulher protesta contra 'crimes de guerra' de Israel durante discurso

Enquanto Netanyahu falava ao Congresso dos EUA, ativista tentou interromper premiê aos gritos

estadão.com.br

24 de maio de 2011 | 14h43

WASHINGTON - Uma ativista americana protestou contra o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, enquanto ele fazia um discurso nesta terça-feira, 24, ao Congresso dos EUA sobre as tensões que envolvem a criação de um Estado palestino. A mulher gritou que Israel encerre a ocupação nos territórios palestinos, de acordo com o jornal Haaretz.

 

Veja também:

blog Chacra: Processo de paz divide comunidade judaica

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

A mulher, uma americana judia identificada como Rae Abilaeh, de 28 anos, pertence à organização de direitos humanos CodePink. Ela se levantou de seu lugar e gritou "Parem com os crimes de guerra!" enquanto Netanyahu parabenizava os EUA pela morte de Osama bin Laden, líder da rede terrorista Al-Qaeda. Seu protesto foi abafado pelos aplausos dos congressistas, contudo.

 

Momentos depois do incidente, a CodePink divulgou um comunicado. "O primeiro-ministro Netanyahu diz que as fronteiras de 1967 são indefensáveis. Mas o que é realmente indefensável é a ocupação de terras, a fome em Gaza, as prisões e a falta de direitos iguais na suposta democracia israelense. Como uma judia e uma americana que paga seus impostos, não posso ficar calada enquanto esses crimes são cometidos em meu nome e com o dinheiro que pago", diz a nota, segundo o Haaretz.

 

O líder israelense, porém, aproveitou a situação para elogiar a democracia dos EUA e criticar o Irã, um dos maiores adversários de Israel. "Você não pode protestar assim em Teerã. Isso é uma verdadeira democracia", disse o premiê, que está nos EUA desde o fim da semana passada.

 

Na segunda-feira, ele também havia sido alvo de manifestantes, que o interromperam e criticaram suas políticas sobre os palestinos durante um discurso para o Aipac, um dos mais poderosos grupos apoiadores de Israel nos EUA. O opositores levaram cartazes e cantaram slogans contra as ações da defesa israelense ante os palestinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.