Andrew Harnik / AP
Andrew Harnik / AP

Mulher que acusa juiz americano de abuso testemunhará na quinta; democratas investigam 2ª acusação

Deborah Ramirez disse à revista 'The New Yorker' que durante uma festa nos anos 1980 Brett Kavanaugh encostou seus órgãos genitais no rosto dela e a obrigou a tocá-los; ele nega as acusações e qualificou o caso como 'difamação'

O Estado de S.Paulo

23 Setembro 2018 | 17h46
Atualizado 23 Setembro 2018 | 22h17

WASHINGTON - A americana que acusa o juiz indicado pelo presidente Donald Trump para a Suprema Corte dos EUA, Brett Kavanaugh, de assédio sexual testemunhará no Congresso na quinta-feira, informaram as partes envolvidas neste domingo, 23. Além dela, agora há mais uma preocupação para Kavanaugh. Os senadores democratas estão investigando uma nova acusação de má conduta sexual contra ele, segundo a revista The New Yorker.

Deborah Ramirez, de 53 anos, disse à publicação que durante uma festa nos anos 1980 na Universidade de Yale, Kavanaugh encostou seus órgãos genitais no rosto dela e a obrigou a tocá-los. Ele negou as acusações e qualificou o caso como "uma difamação, simples e claramente".

Os advogados de Christine Blasey Ford e os representantes da Comissão de Justiça chegaram nesta tarde a um acordo. “Conseguimos um avanço importante”, disseram Debra S. Katz, Lisa J. Banks e Michael R. Bromwich. “A doutora Ford acredita que é importante que os senadores escutem diretamente dela sobre a agressão sexual da qual foi vítima. Ela concordou em testemunhar.”

Taylor Foy, próximo ao senador republicano Chuck Grassley, confirmou o acordo. Os advogados de Christine afirmaram que ela se apresentará ao Senado na quinta-feira às 10h da manhã (local), e aceitaram a decisão da comissão de não obrigar Mark Judge a depor. Ele é um amigo de Kavanaugh que, segundo a americana, estava presente no dia do suposto crime.

Contudo, ainda não foi anunciado quem interrogará Christine. Os 11 republicanos da comissão - todos homens - estavam tentando levar uma advogada para falar com ela. O que se sabe é que Kavanaugh estará presente na audiência.

Veracidade da acusação

Um democrata da comissão disse que a acusadora merece uma audiência justa para determinar se sua denúncia de assédio sexual seria o suficiente para rechaçar a nomeação de Kavanaugh à Suprema Corte.

O senador Dick Durbin reconheceu que os legisladores “provavelmente” não poderão saber a verdade sobre a acusação de Christine de que Kavanaugh abusou sexualmente dela durante uma festa quando eram adolescentes.

Durbin indicou que os democratas provavelmente perguntarão sobre os antecedentes de consumo de álcool do juiz, já que Christine disse que ele estava “bêbado” quando o crime aconteceu.

Reveja: Kavanaugh - mais um problema para Trump

No programa “This Week”, da emissora ABC, Durbin ressaltou que alguns republicanos “se aproximaram de senadores democratas e garantiram a eles que consideravam isso uma espécie de determinação sobre seu voto final” em relação a Kavanaugh.

Detalhes como a ordem dos testemunhos estão sob negociação e espera-se que as discussões continuem ainda neste domingo. / AP e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.