Mulher que ficou paralisada por 46 anos morre em hospital

Verena Loertscher, uma suíça que ficou paralisada por 46 anos mas que conseguiu escrever a autobiografia com a ajuda de um tubo respiratório anexado a uma máquina de escrever, morreu domingo passado em Berna, aos 73 anos. Loertscher contraiu poliomelite em outubro de 1956, quando tinha 27 e passou o resto da vida com um respirador artificial. "Nunca morri, embora tenha tido vontade de morrer por centenas de vezes", disse ela a um jornal regional, em 1983, depois de ter completado a autobiografia "Paralisada, mas Viva".Em um processo que lhe custou oito anos, Loertscher escreveu o livro soprando e aspirando um tubo respiratório preso a uma máquina de escrever especialmente adaptada para ela. Para conseguir a letra A, ela tinha que aspirar com a boca uma vez, esperar um segundo e soprar uma vez. Para a letra B, ela soprava uma vez, esperava três segundos e soprava de novo. Loertscher deixou três filhos e 11 netos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.