Mulher será embaixadora dos EUA no Brasil

O Senado dos Estados Unidos aprovou a nomeação de Donna Jean Hrinak para ocupar a embaixada dos Estados Unidos no Brasil. Ela deve chegar a Brasília em março. Hrinak é a primeira mulher a comandar a representação dos EUA no Brasil. Diplomata de carreira, ela serviu como adido político no consulado americano em São Paulo, nos anos 80, e fala fluentemente português - uma qualidade rara na atual safra de diplomatas americanos. Em sua sabatina de confirmação, em novembro, ela disse aos senadores que tem uma ligação afetiva com o Brasil, porque seu único filho, Wyatt, nasceu em São Paulo. Hrinak é formada em Direito pela Universidade de Notre Dame. Ela já foi embaixadora dos EUA na República Dominicana, Bolívia e, mais recentemente, na Venezuela. A representação americana estava sem um titular há um ano. A nova embaixadora representará os EUA no Brasil num período especialmente complexo das relações bilaterais - o da negociação, para valer, da criação da área de Livre Comércio das Américas, ALCA, que os dois países vão conduzir em conjunto a partir de outubro em meio a um clima político crescentemente desfavorável, em ambos os países, à liberalização comercial. O último embaixador dos EUA no Brasil, Anthony Harrington, saudou a confirmação de Hrinak. "Ela é altamente respeitada nos círculos diplomáticos em Washington, conhece o Brasil, e sei, por conversas que tive com ela, que vê com entusiasmo a perspectiva de voltar a servir no Brasil", disse Harrington .

Agencia Estado,

28 Janeiro 2002 | 21h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.