Mulher vence prévia dos socialistas para eleições da França

Ségolène Royal é a candidata do Partido Socialista (PS) que disputará a Presidência da França em 2007, anunciou oficialmente o chefe do gabinete do líder da legenda, François Hollande. Stéphane Le Foll, único habilitado por Hollande para divulgar os resultados da eleição interna do PS, confirmou o resultado que a própria Royal tinha antecipado um pouco antes em seu reduto eleitoral na região de Poitot-Charentes. A França "vai escrever uma nova página de sua História", afirmou Royal, de 53 anos, companheira e mãe dos quatro filhos de Hollande, após manifestar que vive "um intenso momento de felicidade" pelo "impulso" que os militantes socialistas deram a sua candidatura. Royal, que agradeceu "do fundo do coração" os que votaram nela e que quer se tornar a primeira presidente da França, prometeu que não frustrará ninguém e que continuará sendo ela mesma. "Agora é o momento de unir" os socialistas, já que o objetivo é "chegar às presidenciais na melhor condição" possível, disse a deputada. Com esse objetivo, Royal deve telefonar nesta sexta a seus dois adversários: o ex-ministro da Economia Dominique Strauss-Kahn e o ex-primeiro-ministro Laurent Fabius. Strauss-Khan, que esperava disputar um segundo turno na próxima semana com Royal, foi surpreendido inclusive pela vitória da sua adversária em sua federação, Val d´Oise. O "braço direito" de Strauss-Kahn, Jean-Christophe Cambadélis, reconheceu esta noite a vitória de Royal: "Ela foi escolhida no primeiro turno. Queria todos os poderes e os tem". As primeiras estimativas dão a Strauss-Kahn o segundo lugar nas eleições internas, nas quais aparece na frente de Fabius, que, por sua vez, conseguiu vencer em sua federação, Seine-Maritime. Termina assim a campanha destas primárias, inéditas no PS e que se estenderam por seis semanas, com debates e algumas tensões e nervosismo na reta final.

Agencia Estado,

16 Novembro 2006 | 22h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.