Gregorio Borgia/AP
Gregorio Borgia/AP

Mulher vista com capitão do Costa Concordia diz que ele não é seu amante

Equipes de resgate suspenderam trabalhos, pois navio está em uma posição perigosa

Efe,

20 de janeiro de 2012 | 12h05

ROMA - A jovem moldávia Dominica Cemortan, que foi vista em companhia do capitão do Costa Concordia, Francesco Schettino, pouco antes da embarcação naufragar próximo à ilha de Giglio, afirma que não é sua amante.

 

Veja também:

som OUÇA: Capitão recebe ordens de voltar para o barco
blog RADAR GLOBAL: 'Volte a bordo, c...!' vira camiseta na Itália
tabela ESPECIAL: O naufrágio do Costa Concordia

A jovem deu esta declaração ao jornal italiano Corriere della Sera após ser contatada por telefone: "Não sou amante do comandante Schettino. Sabe por quê? Ele sempre mostra a foto de sua filha quando era pequena. Um homem que quer uma amante não se comporta assim".

Além disso, Dominica, de 25 anos, nega que no momento da colisão o capitão estivesse com ela.

"No momento do choque havia alguns oficiais em nossa mesa no restaurante da ponte 3. Esse é o lugar no qual eles comem. Mas é mentira que o comandante estivesse conosco. Ele tinha passado antes e ficado um momento, mas não me lembro a hora exata", explicou a jovem.

Além disso, Dominica, cujo segundo idioma é o russo, afirma que depois que acabou a luz após o impacto, um oficial pediu que o acompanhasse à ponte de comando para traduzir as instruções aos passageiros, já que a bordo da embarcação viajavam muitos turistas russos.

A jovem explicou dessa maneira o fato de estar na sala ao lado à ponte de comando, onde várias testemunhas alegavam tê-la visto após o acidente.

"Claro que me encontrava perto de Schettino. Eu traduzia o que ele me dizia", afirma a jovem, que considera que o capitão do Costa Concordia "é um herói".

A este respeito acrescenta: "Comigo ele se comportou como um herói. Eu acho que fez todo o possível. Tenho certeza que à meia-noite ainda estava na ponte de comando, porque foi a essa hora que nos disse para abandonarmos o navio".

Questionada sobre por que viajava no Costa Concordia, Dominica explica que acabava de terminar aulas práticas de aeromoça internacional e queria desfrutar de um cruzeiro como turista ao lado de seus amigos que trabalhavam a bordo.

"Comprei o bilhete na Itália com meu dinheiro. Agora me deixem tranquila, preciso de tranquilidade, talvez fale mais depois", concluiu a jovem.

Coincidindo com as declarações de Dominica, foi divulgado um novo vídeo gravado por um dos passageiros após o acidente, no qual membros da tripulação tranquilizam os passageiros e pedem que voltem a seus camarotes, apesar de que já entrava água na embarcação. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Costa Concordianavionaufrágio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.