Mulheres criticam ?sexismo? do parlamento britânico

Não fazia sentido. Foi o que pensou Tess Kingham quando assumiu sua cadeira na Câmara dos Comuns há quatro anos. Ela podia comprar garrafas de whisky no edifício do Parlamento, mas não papel para fax. Ela tinha direito a um cabideiro, mas não podia ter um escritório, mesa ou telefone até um tempo depois. "O absurdo simplesmente me atingiu", disse ela. Então, ela decidiu não concorrer novamente, alegando querer "uma vida produtiva, não uma experiência cultural em um clube de cavalheiros."Kingham é uma das "Blair´s Babes", como foram imediatamente batizadas as 101 Trabalhistas que entraram para o governo com o primeiro-ministro Tony Blair, em 1997. Ela está entre as críticas mais loquazes aos costumes antiquados e atmosfera sexista na Câmara dos Comuns. No momento em que a Inglaterra se prepara para um novo Parlamento, em 7 de junho, e ainda se todas as mulheres que estão concorrendo ganharem, o número de mulheres no Parlamento cairá pela primeira vez em cerca de 20 anos. Não é difícil saber por quê. Começa com as condições de trabalho. Jenny Jones, outro membro do grupo de 1997 que não tentará a reeleição, descobriu não poder instalar um e-mail porque um rato tinha roído a fiação. As mulheres também não gostam do comportamento machista adotado durante os debates. Um membro, que foi contra a presença das mulheres no Parlamento, insistiu em chamar a todas por "Betty". Houve algumas melhorias. Não é mais permitido fumar charuto em qualquer lugar e um novo edifício, inaugurado recentemente, com espaço para 210 dos 659 membros da Câmara. Além disso, as mulheres, muitas com filhos pequenos, conseguiram antecipar o horário de trabalho, mas não o direito de amamentar os filhos. Talvez as mudanças estejam ocorrendo, ainda que desajeitadamente. "Eu acho que trouxemos nova luz para a Câmara dos Comuns", disse Jones. "Espera-se que você não fale sobre o quão terrível ela é, sobre a pura escravidão que é ser um membro do Parlamento. Mas eu acho isso sem sentido. O público deveria saber quão terrível é."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.