Mulheres e sindicalistas compõem o gabinete de Morales

Quatro mulheres, vários sindicalistas e intelectuais de esquerda compõem o gabinete de 16 ministros designado nesta segunda-feira pelo novo presidente da Bolívia, Evo Morales.A identidade da equipe de Governo, que Morales manteve em segredo até o último instante, foi revelada em um ato no Palácio de Governo de La Paz.Na cerimônia, o presidente aimara, vestido com o mesmo suéter que exibiu em suas recentes viagens internacionais, levou a mão direita ao coração e levantou o punho esquerdo no momento do juramento dos ministros, como havia feito no domingo quando tomou posse no cargo.Conforme tinha anunciado em seu discurso de posse, Morales escolheu as personalidades que considera mais representativas dentre os movimentos sociais e de povos indígenas.Um deles é o chanceler, o aimara David Choquehuanca, que se apresentou em sua língua nativa em um discurso preparado com palavras em quíchua e guarani.Choquehuanca, um homem chave no Movimento ao Socialismo (MAS), o partido de Morales, anunciou ter chegado a hora do "pachakuti", que em aimara significa o retorno às origens da civilização andina.A controvertida pasta de Hidrocarbonetos estará a cargo do jornalista Andrés Soliz Rada, que deverá enfrentar uma das tarefas mais complexas do Governo: a negociação com as companhias petrolíferas multinacionais - incluindo a Petrobras - para adequar sua atuação no país ao plano de Morales de aumentar a presença do Estado no setor.Também é considerado estratégico o novo Ministério de Águas, que será chefiado por Abel Mamani, o ex-presidente da Federação de Associações de Moradores de El Alto, cidade nos arredores de La Paz.Em janeiro de 2005, Mamani liderou as manifestações de milhares de moradores até fazer com que as autoridades estaduais decidissem pela expulsão da empresa Aguas del Illimani, filial da francesa Suez e operadora dos serviços de água em La Paz e El Alto.Para o Ministério de Presidência Social foi designado Juan Ramón Quintana, assessor de Morales e diretor do Observatório de Democracia e Segurança. Quintana é um ex-capitão das Forças Armadas e conhece profundamente os mecanismos internos militares, razão pela qual a opinião pública o situava como ministro da Defesa ou de Governo (Interior).Estas pastas foram, respectivamente, para as mãos de Walter São Miguel, ex-presidente do Colégio de Advogados de La Paz; e Alicia Muñoz, a primeira mulher a ocupar esse cargo.Outra mulher do gabinete de Morales é Nila Heredia, ex-chefe do Colégio de Médicos e do Serviço Departamental de Saúde de La Paz, ativista social e exilada durante a ditadura de Banzer (1971-1978).Heredia será ministra da Saúde e Esportes, enquanto Casimira Rodríguez estará à frente do Ministério da Justiça.Rodríguez é uma ex-empregada doméstica que se veste com "pollera", roupa tradicional das mulheres andinas, e obteve, com seus protestos sindicais, a aprovação da Lei da Trabalhadora do Lar.A titular de Desenvolvimento Econômico será ocupada pela microempresária Celinda Sosa Lunda, representante de organizações sociais do departamento (estado) de Tarija, no sul do país.O Ministério da Fazenda ficou a cargo de Luis Alberto Arce Catacora, professor de uma universidade particular e assessor de Morales durante a campanha eleitoral.Walter Villarroel espera aproveitar sua experiência à frente da Federação de Cooperativistas Mineiros da Bolívia (Fencomin) para renovar o ministério de Mineração e Metalurgias, que volta a existir no país.O Ministério de Assuntos Camponeses, Indígenas e Agropecuários ficou nas mãos de Hugo Salvatierra, um assessor da Central Operária Boliviana que foi o candidato do MAS a governador do departamento de Santa Cruz nas eleições de dezembro passado.O empresário Salvador Ruiz Riera é o novo ministro de Serviços e Obras Públicas e também procede da próspera região de Santa Cruz, onde é forte o movimento autonomista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.