Mulheres fazem o primeiro casamento gay em Nova Délhi

Na Índia, o homossexualismo é ilegal e punido com até dez anos de prisão

Efe

11 Julho 2007 | 15h34

Duas mulheres pediram e obtiveram proteção policial após terem se casado em um templo hindu de Nova Délhi, capital da Índia, onde o homossexualismo é punido no código penal, informou nesta quarta-feira, 11, a agência indiana Ians.Geeta e Babli se casaram na segunda-feira, após se conhecerem há dois anos e terem se tornado "melhores amigas", disse a primeira.Segundo a jovem, suas famílias "brincavam freqüentemente" com elas, dizendo que já "tinham se casado", devido à sua íntima relação, o que ajudou a fortalecer os laços que as uniam."Estamos comprometidas só com a outra e permaneceremos sempre juntas em qualquer situação", afirmou Geeta.A mãe da jovem, no entanto, acredita que sua filha foi "enganada" por Babli, que teria pedido à família 200 mil rúpias (cerca de US$ 5 mil) para não arruinar a vida de Geeta.A Polícia indiana concedeu às jovens a ajuda que haviam pedido, temendo possíveis represálias familiares, mas ainda não foi registrada nenhuma denúncia contra elas, segundo a Ians.´Ofensa´Na Índia, o homossexualismo é ilegal e punido com até dez anos de prisão, segundo o artigo 377 do Código Penal indiano, que torna este tipo de relações uma "ofensa criminal". O casamento das jovens é o primeiro deste tipo na capital indiana."Os indianos desaprovam o homossexualismo, pois o casamento é o mais importante para eles. Mas quando vêem que não há outro remédio, querem que os homossexuais se casem, e isso passará em pouco tempo", disse em junho à Efe Gautam Bhan, um dos organizadores do QueerFest´07 em Nova Délhi.O festival, realizado em 2 de junho e do qual participaram cerca de 3 mil pessoas, foi considerado a primeira manifestação pública dos homossexuais como coletivo na conservadora sociedade indiana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.