Mulheres não são iguais aos homens, diz Erdogan

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, causou nova polêmica nesta segunda-feira, ao declarar que as mulheres não são iguais aos homens e acusar as feministas de não entender o papel especial que o Islã atribui às mães.

Estadão Conteúdo

24 de novembro de 2014 | 15h25

Durante um encontro em Istambul sobre mulheres e justiça, Erdogan disse que homens e mulheres são criados diferentes, por isso elas não podem realizar o mesmo trabalho que os homens. Além disso, afirmou que as mães têm uma posição única na sociedade.

"Você não pode colocar homens e mulheres em pé de igualdade. É contra a natureza. São constituídos de forma diferente", disse Erdogan. "A maternidade é o ponto mais alto. Você não pode explicar isso para uma feminista. Elas não aceitam a maternidade. Elas não aceitam a maternidade, não têm essa preocupação", acrescentou.

A advogada e ativista dos direitos das mulheres, Hulya Gulbahar, disse que os comentários de Erdogan violam a Constituição e as leis turcas, e as convenções internacionais de igualdade de gênero. Segundo ela, também não contribuem com os esforços feitos para diminuir as incidências de violência contra as mulheres na Turquia.

"Comentários como esse têm um papel importante no aumento da violência contra a mulher. Eles pretendem tornar discutível a presença da mulher na vida pública, na política, nas artes, na ciência, nos esportes", afirmou Gulbahar.

Muçulmano, Erdogan tem causado polêmicas com alguns comentários. Recentemente, sugeriu que as mulheres deveriam ter ao menos três filhos, e tentou limitar o direito ao aborto. Ainda em novembro, declarou que os muçulmanos descobriam a América antes de Cristóvão Colombo. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.