Mulheres processam Wal-Mart por discriminação

Seis empregadas e ex-empregadas da Wal-Mart entraram com um processo contra a empresa hoje na Califórnia (EUA). Elas alegam que foram discriminadas nos salários, compensações e promoções em relação aos homens.O processo afirma que a maior cadeia varejista do mundo é também a mais atrasada em reconhecer o valor feminino. As seis mulheres, dos Estados do Texas, Califórnia, Ohio, Illinois e Florida alegam que a promoção de homens ocorre com maior rapidez do que de mulheres. Além disso, os treinamentos e tarefas dados a elas são sempre inferiores, o que faz com que recebam menos promoções de cargos.Elas reclamam ainda que as mulheres que se posicionaram contra esta posição da empresa foram punidas ou mesmo demitidas. Duas das seis empregadas afirmam que quando se candidataram a vagas abertas para cargos superiores foram impostas condições e dificuldades que não eram requisitadas aos homens. Além disso, todas as seis que entraram com o processo afirmaram terem visto homens, segundo elas, menos qualificados do que elas serem promovidos a gerentes ou superintendentes.Como prova das alegações do processo estão estatísticas que mostram que 72% dos trabalhadores da Wal-Mart que recebem por hora são mulheres, enquanto apenas cerca de 33% dos gerentes e supervisores pertencem a este sexo. Entre os maiores rivais da varejista, o índice de mulheres em cargos de gerência e supervisão chega a 56%.O assessor de imprensa da Wal-Mart, Bill Wertz, informou que a empresa não promove discriminação entre seus funcionários. Ele alegou que as mulheres ocupam muitas posições-chave dentro da empresa. Para contestar as porcentagens citadas no processo, Bill disse que as empresas usam classificações diferentes para cargos de gerência e por isso havia esta discrepância.Cálculos dos advogados responsáveis pelo processo mostram que as mulheres representam cerca de 500 mil funcionários da Wal-Mart. A empresa possui 1,2 milhão de funcionários, sendo 950 mil nos Estados Unidos. Este número coloca a Wal-Mart como segunda maior empregadora do país. Somente o governo federal norte-americano possui mais funcionários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.