Mulheres sequestradas pelo Boko Haram há duas semanas escapam

As 63 sequestradas conseguiram fugir quando parte dos terroristas estava atacando militares do Exército nigeriano

O Estado de S. Paulo

07 de julho de 2014 | 07h41

NAIRÓBI - Sessenta e três mulheres e meninas sequestradas pelo grupo terrorista Boko Haram há duas semanas no Estado de Borno, no norte da Nigéria, conseguiram escapar, informaram fontes de segurança e testemunhas, citados nesta segunda-feira, 7, pela imprensa local.

As 63 mulheres fugiram dos terroristas quando eles deixaram o lugar onde se escondiam para atacar militares do Exército nigeriano na área de Damboa.

Entre os dias 19 e 22 de junho, o Boko Haram sequestrou cerca de 90 pessoas - entre elas mais de 60 mulheres e meninas - em Damboa, a cerca de 150 quilômetros da capital de Borno, Maiduguri. Outras 200 meninas sequestradas em abril continuam sob o controle do grupo.

Um agente de segurança de Maiduguri, que pediu para não ser identificado, confirmou a fuga das mulheres ao jornal nigeriano Premium Times. "As mulheres e meninas conseguiram escapar quando os homens armados estavam atacando Damboa. Eles deixaram poucos homens para vigiá-las e elas aproveitaram para fugir quando eles dormiam", relatou o agente.

"Não temos os detalhes de sua fuga, mas achamos que Deus lhes deu a oportunidade no momento que os insurgentes foram atacar Damboa, onde cerca de 12 soldados, cinco policiais, mais de 50 membros de Boko Haram e um número não especificado de civis foram assassinados ontem (sábado)", declarou um porta-voz das patrulhas vizinhos, Abbas Gava.

Segundo Gava, cinco mulheres e duas meninas continuam reféns do grupo. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Boko HaramNigéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.