Mulheres tibetanas protestam no Nepal e mais de 500 são presas

A polícia nepalesa prendeu nestedomingo 562 tibetanas em uma manifestação anti-China emKatmandu, na primeira passeata feminina contra o domínio chinêsem sua terra natal, disseram autoridades. Algumas manifestantes gritavam "queremos o Tibet livre",enquanto outras choravam quando eram arrastadas nas ruas paravans e caminhões da polícia e levadas a centros de detenção.Muitas delas vestiam braçadeiras negras e tinham suas bocasamordaçadas com roupas. O Nepal considera o Tibet como parte da China, umfundamental doador de recursos e um parceiro comercial. O paístem reprimido os protestos de tibetanos exilados contra Pequim. A polícia informou que as mulheres seriam liberadasposteriormente. Tibetanos exilados têm protestado regularmente desde ossangrentos conflitos que ocorreram na capital tibetana Lhasa emmarço, seguidos por manifestações em outras regiões do Tibet. Muitos tibetanos estão furiosos com a repressão dosmanifestantes no Tibet e condenam o domínio chinês na região doHimalaia, que já dura décadas. Os conflitos de Lhasa ocorreram após dias de protestoscentralizados no aniversário de uma fracassada revolta tibetanacontra a China em 1959. Mais de 20.000 tibetanos vivem no Nepalapós terem fugido do Himalaia depois da revolta. "Não somos contra o Nepal. Nossos protestos são contra aChina. Então, por que eles estão nos prendendo?", questionou,com lágrimas nos olhos, uma manifestante de 70 anos que seidentificou apenas como Chinjhoke. (Por Gopal Sharma)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.