Multidão queima lojas em Cartum após execuções

Uma multidão de manifestantes furiosos queimou lojas e carros em um mercado no sul de Cartum, disseram os moradores nesta terça-feira, um dia após a execução de nove homens da região de Darfur.

REUTERS

14 de abril de 2009 | 12h48

Cerca de 5.000 pessoas compareceram, sob pesada presença policial, ao funeral dos nove homens, que foram acusados do assassinato de um editor de jornal em 2006.

Um pequeno número de manifestantes depredou propriedades a caminho do funeral, disseram testemunhas. Ao menos três lojas e dez carros foram destruídos.

Alguns na multidão entoavam lemas em apoio ao grupo rebelde em Darfur, o Movimento de Libertação do Sudão, que tem lutado contra o governo na região oeste do Sudão.

O assassinato de Mohamed Taha Mohamed Ahmed e o julgamento subsequente foram temas delicados para o governo, que inicialmente restringiu a cobertura do caso à mídia estatal.

O jornal Al-Wifaq, de Ahmed, publicou artigos depreciando relatos de estupros em Darfur e utilizando linguagem pejorativa para descrever as mulheres da região.

O jornal também deixou os islâmicos irritados com artigos sobre o profeta Maomé, assim como com críticas sobre as leis do Partido do Congresso Nacional, do presidente Omar Hassan al-Bashir.

(Reportagem de Khalid Abdul Aziz)

Tudo o que sabemos sobre:
SUDAOCONFLITOCARTUM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.