Multidão realiza em toda a Rússia o maior protesto da era Putin

Dezenas de milhares de manifestantes tomaram ontem as ruas de Moscou e de várias cidades da Rússia em protesto contra a suposta fraude nas eleições do dia 4 e o partido Rússia Unida, do primeiro-ministro Vladimir Putin. O protesto é o maior na Rússia desde que Putin chegou ao poder, em 2000, e mesmo desde os anos 90.

MOSCOU, O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2011 | 03h00

De acordo com uma fonte policial citada pela agência oficial Itar-Tass, o número de manifestantes que se reuniu na Praça Bolotnaya, no centro de Moscou, chegou a 25 mil. No entanto, a oposição disse que entre 50 mil e 80 mil pessoas atenderam à convocação para a marcha em Moscou, feita pelas redes sociais na internet. O protesto teve a autorização do governo.

Várias manifestações foram realizadas durante a semana passada, principalmente em Moscou e São Petersburgo, e foram reprimidas com violência - pelo menos 1.600 pessoas foram detidas em ambas as cidades.

"Anulem os resultados das eleições"; "Queremos a recontagem dos votos"; "Falsificadores na prisão", gritavam os manifestantes nas ruas. O protesto reuniu liberais, nacionalistas e comunistas, mas poderia ser mais bem descrito como uma manifestação da classe média urbana, que cresceu durante a era Putin.

Vários representantes da oposição fizeram discursos, entre eles Serguei Mitrojin, líder do partido liberal Yabloko. "Putin e (o presidente Dmitri) Medvedev fizeram hoje uma descoberta desagradável para eles: a Rússia tem um povo", declarou.

Um esquema de segurança sem precedentes foi montado perto do Kremlin, nos acessos à Praça Vermelha, na Praça Lubianka e na ponte que atravessa o Rio Moskova.

O Diário Oficial publicou ontem os resultados oficiais das eleições, confirmando a vitória do Rússia Unida, com 49,32% dos votos e uma maioria absoluta de 238 das 450 cadeiras da Duma (Câmara Baixa do Parlamento). A missão de observadores da Organização para a Segurança e Cooperação da Europa (OSCE) declarou na segunda-feira passada que havia constatado várias irregularidades e sérias indicações de que algumas urnas foram preenchidas com votos não emitidos ao término da eleição.

Putin acusou os Estados Unidos de incitar os protestos na Rússia depois de a secretária americana de Estado, Hillary Clinton, dizer que havia evidências de que as eleições russas não foram livres nem justas. Putin, que foi presidente entre 2000 e 2008 e premiê de 2008 até agora, quer se reeleger chefe de Estado no próximo ano. / REUTERS e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.