Multidão volta às ruas da segunda maior cidade líbia contra Khadafi

Grupo pró-governo diz que manifestações em Benghazi serão reprimidas; pelo menos 23 já morreram no país.

BBC Brasil, BBC

18 de fevereiro de 2011 | 13h06

Confrontos durante protestos já deixaram ao menos 23 mortos

A cidade líbia de Benghazi é palco, nesta sexta-feira, de novas manifestações contra o governo do líder Muamar Khadafi, segundo relatos de testemunhas.

Dezenas de milhares de pessoas se reuniram na entrada da corte de Justiça local para exigir reformas políticas no país, relatou à BBC um advogado que mora na cidade.

É em Benghazi, segunda maior cidade do país, que têm ocorrido as mais fortes manifestações antigoverno nos últimos dias, sob forte repressão das forças de segurança.

No que se acredita que seja a primeira resposta oficial aos protestos, o movimento pró-governo chamado Comitê Revolucionário disse que o povo líbio e os "revolucionários" responderiam com "violência" às manifestações.

A ONG Human Rights Watch diz que ao menos 24 pessoas morreram nos confrontos desde o início da semana, em cinco pontos diferentes do país. Fontes médicas falam em ao menos 23 vítimas desde terça-feira. Dezenas de pessoas teriam ficado feridas.

Passeata

Os manifestantes em Benghazi disseram que pretendem marchar até o hospital onde estão os mortos, para levá-los ao cemitério.

Os funerais podem servir de estopim para mais levantes, e já há relatos de incêndios de prédios estatais na cidade.

Segundo testemunhas ouvidas pela BBC, a polícia até o momento não reprimiu os protestos diante da corte de Justiça, mas está patrulhando ruas próximas ao local. Os relatos não puderam ser confirmados pela BBC.

O correspondente no Cairo Jon Leyne diz que há informações sobre confrontos violentos em cinco cidades líbias até o momento, mas não em grande escala na capital do país, Trípoli.

Manifestantes pró-Khadafi também voltaram às ruas e foram vistos cantando slogans na Praça Verde, em Trípoli. Eles acusam a imprensa estrangeira de incentivar os opositores do regime.

Khadafi teria visitado a praça na manhã desta sexta-feira.

Poucas imagens

Ele governa a Líbia desde um golpe de Estado perpetrado em 1969 e é, atualmente, o líder há mais tempo no poder no mundo árabe.

Opositores dizem que o governo bloqueou o serviço de internet para prevenir que as notícias sobre as passeatas se espalhem.

Há poucas imagens dos protestos no país, feitas por vídeos amadores, e a TV estatal local apenas cobriu as marchas pró-Khadafi.

Protestos dessa magnitude são raros na Líbia, país onde a dissidência raramente tem permissão para se expressar.

As manifestações líbias são parte da onda de levantes pró-democracia no mundo árabe e muçulmano, que já derrubou governantes na Tunísia e no Egito e se espalhou por países como Bahrein, Argélia, Iêmen e Irã.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.