Carlos Ortega/Efe
Carlos Ortega/Efe

Mundo celebra Parada Gay

Comunidade GLBT de nove países escolheu o sábado para se manifestar pela diversidade

estadão.com.br,

26 de junho de 2010 | 21h13

A comunidade gay de nove países escolheu este sábado, 26, para realizar sua tradicional passeata, reivindicar seus direitos e se manifestar a favor da diversidade. Estados Unidos, França, Espanha, Bulgária, Chile, México, Salvador, Panamá e Colômbia comemoraram juntos seu Dia do Orgulho Gay.

 

Nos Estados Unidos, a 40ª marcha ocorre em São Francisco, onde eventos e shows ocorreram neste sábado e a tradicional passeata será realizada no domingo. O tema deste ano é "40 e fabulosa".

 

No México, milhares de pessoas tomaram o centro da capital do país na Parada do Orgulho Gay, que recordou o escritor Carlos Monsiváis, morto há uma semana.

 

Na 32ª edição da Parada, que neste ano escolheu o lema "Marcha do Bicentenário, Marcha das Liberdades", não houve violência nem desordens, de acordo com as autoridades locais.

 

Carro alegórico anima pessoas na Parada Gay de Paris

 

A Bulgária celebrou em Sofia a terceira parada desde a queda do comunismo há 20 anos. A marcha terminou sem incidentes, apesar de vários protestos e ameaças de ultranacionalistas e jovens radicais. O tema da manifestação foi "Ame a igualdade, abrace a diversidade", e reuniu mais de 700 pessoas, segundo os organizadores.

 

Na Rússia, país que não permite a Parada, a polícia prendeu cinco ativistas homossexuais durante uma manifestação no museu Hermitage, de São Petersburgo. Cerca de 20 ativistas se reuniram no pátio repleto de turistas de um dos museus mais famosos do mundo para protestar contra a homofobia, que, segundo proclamaram em cartazes, "é a vergonha do país".

 

Maria Efremenkova, que faz parte da organização do protesto, disse que o governo russo não faz nada para proteger os homossexuais: "Vocês não prestam atenção em nós e violam nossos direitos e liberdade", disse.

 

Homem levanta bandeira colorida em frente a monumento ao Exército soviético na Bulgária

 

Os defensores da causa GLBT no país tentam por anos conseguir permissão para se manifestar em vão. A homossexualidade era condenada com sentenças de prisão na antiga União Soviética e apesar da Rússia tê-la descriminalizado em 1993, a intolerância continua. Segundo pesquisas, mais de 80% dos russos veem a homossexualidade como algo imoral.

 

No Brasil, a Parada Gay é comemorada anualmente na avenida Paulista, em São Paulo, e reuniu mais de três milhões de pessoas em sua 14ª edição celebrada neste ano.

 

Ativistas são presos em São Petesburgo, na Rússia

Tudo o que sabemos sobre:
parada gayGLSGLBThomossexualhomofobia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.