Mundo comemora com apreensão chegada do ano-novo

O réveillon nas principais cidades domundo, como Nova York, Londres e Paris, foi mais uma vez marcadopelo rigor nas operações de segurança contra ataquesterroristas. A ameaça, porém, não impediu que milhões de pessoastomassem as ruas e praças para saudar 2004. Os céus da Baía de Sydney, na Austrália, uma das cidades queprimeiro festejaram a data, foram iluminados pelo show de fogosde artifício. O espetáculo terminou com uma cascata dourada,acionada por controle remoto. Milhares de agentes de segurançavestidos à paisana se misturaram ao público. Apesar de o ano-novo chinês só ter início no dia 22, as festasde 1º de janeiro estão se popularizando entre a população dePequim. Em Kuala Lumpur, na Malásia, o ponto alto da festa foi oshow de fogos detonados do alto das Petronas Twin Towers.Nos EUA, um esquema sem precedentes foi montado para protegerNova York e Washington - alvos dos atentados de 11 desetembro de 2001, além de Los Angeles e Chicago. Na Times Square, em Nova York, cerca de 700 mil pessoas, que teriam comoanfitrião o prefeito Michael Bloomberg, eram esperadas paracelebrar a passagem do ano em torno da imensa bola de cristalerguida no alto do edifício central.Como vem ocorrendo há três anos, as ruas em torno da TimesSquare foram cercadas por cordões de controle de acesso emilhares de policiais - muitos deles com detectores deexplosivos - se postaram em locais estratégicos. Os vôos sobreNova York foram proibidos para aviões pequenos e fretados."Continuamos preocupados com a possibilidade de que osterroristas tentem praticar atentados com aviões comerciais",alertou o secretário de Segurança Interna Tom Ridge. O país seencontra desde o dia 21 em alerta laranja (risco muitoelevado de atentados). Na Grã-Bretanha - principal aliado militar dos EUA - osfestejos também foram cercados pelo medo ao terrorismo. Paris, onde perto de 500 mil pessoas celebrariam o réveillonnos Campos Elísios, também teve sua segurança reforçada, com opatrulhamento de 5 mil policiais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.