Mundo comemora virada do Partido Democrata nos EUA

As eleições de meio mandato que desencadearam uma grande mudança de poder na paisagem política americana - ressaltadas pela renúncia do secretário da Defesa Donald Rumsfeld - foram amplamente bem recebidas em todo o mundo, com muitos personagens expressando variações do mesmo sentimento: ?já estava na hora?. De Paris até o Paquistão, políticos, analistas e cidadãos comuns disseram, nesta quarta-feira, esperar que a hegemonia dos democratas em pelo menos uma das Casas do Congresso e a saída do combativo secretário de Defesa forcem o presidente do país, George W. Bush, a adotar abordagens mais conciliatórias sobre crises globais - além de possam ensinar ao presidente, o qual muitos vêem como ?cowboy?, uma lição de humildade. O primeiro ministro italiano, Romano Prodi, disse que a ?renúncia-surpresa? de Rumsfeld ressaltou a profundidade do que aconteceu com a América. No Afeganistão, o governo do presidente Hamid Karzai expressou tristeza sobre a abrupta partida do secretário. ?Estamos tristes que ele tenha renunciado?, disse Jawed Ludin, chefe-de-gabinete de Karzai. ?Nós no Afeganistão estamos muito contentes e gratos pelo apoio dele ao nosso país?. Em Paris, expatriados e cidadãos franceses lotaram os principais pontos de encontros de americanos para assistir à divulgação dos resultados do pleito na passagem de terça para quarta-feira, com alguns chegando até a torcer enquanto os resultados saíam. Os ânimos foram fortes no Paquistão, onde Bush não é nada popular, apesar dos bilhões em auxílios e forte apoio ao presidente do país, o general Pervez Musharraf. Um legislador da oposição, Hafiz Hussain Ahmed, disse dar boas vindas aos resultados da eleição, mas estava esperando por mais. Segundo ele, Bush ?merece ser removido, colocado sob julgamento e, como Saddam, ser sentenciado à morte?, disse ele. No Iraque, alguns se preocupavam com a possibilidade de uma retirada rápida forçada pelos democratas, deixando o país e a região no caos. Outros disseram duvidar que a reviravolta no Congresso venha a ter um impacto dramático na política do Iraque num período breve, isso porque democratas ainda têm que definir detalhes do curso que querem tomar. Os democratas fizeram campanha sob uma plataforma que exigia uma mudança de direção no Iraque, com a guerra perdendo o apoio da maioria dos eleitores americanos.

Agencia Estado,

09 Novembro 2006 | 03h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.