Mundo pede mais tempo para inspetores

Os Estados Unidos e a Grã-Bretanha acusaram hoje Saddam Hussein de brincar com a Organização das Nações Unidas (ONU) e utilizaram um relatório dos inspetores de armas da entidade como "prova" de que o Iraque não tem a intenção de se desarmar.Em outros lugares do mundo, porém, líderes insistiram que os inspetores de armas necessitam de mais tempo para trabalhar alembraram que o relatório dos especialistas em armas dedestruição em massa não traz nenhuma evidência capaz deincriminar o Iraque. "O tempo está quase esgotado. Se esta ausência de cooperação prosseguir, o Iraque enfrentará sérias conseqüências", ameaçou hoje o secretário de Exterior da Grã-Bretanha, Jack Straw.Seus comentários vieram à tona após as palavras do embaixadordos EUA na ONU, John Negroponte, segundo o qual "não há nada no relatório dos inspetores que nos dê esperanças de que o Iraque se desarmará" voluntariamente. "Eles não estão cooperando incondicionalmente. Nos próximos dias, acreditamos que o Conselho (de Segurança da ONU) e seus membros terão de lidar com suas responsabilidades", disse Negroponte.O Iraque, por sua vez, garante ter feito tudo o que estava aseu alcance para ajudar os inspetores em sua busca por programasde armas proibidos. O embaixador do Iraque na ONU, Mohammed al-Douri, disse a jornalistas: "Nós abrimos todas as portas ao senhor Hans Blix e seus subordinados. Se algo existir, eles irão encontrar. Não estamos escondendo nada."Hans Blix, chefe da equipe de inspetores de armas da ONU,disse nesta segunda-feira que Bagdá não aceitou de bom grado aresolução do CS da entidade que exige seu desarmamento. O secretário-geral da Agência Internacional de Energia Atômica(AIEA), Mohamed el-Baradei, disse por sua vez que seus homensestão progredindo bastante com seu trabalho e não devem serpressionados por prazos curtos."Até o momento não encontramos nenhuma evidência de que oIraque tenha retomado seu programa de armas nucleares desde aeliminação do mesmo nos anos 90", disse ele. "No entanto,nosso trabalho ainda está em andamento e é preciso permitir queele siga seu curso natural."A Rússia apressou-se em endossar a necessidade de mais tempopara os inspetores. "Todas as condições estão disponíveis parao prosseguimento das inspeções", disse o vice-chanceler russoYuri Fedotov, segundo a agência de notícias Interfax.Mais cedo, o Kremlin informou que o presidente da Rússia,Vladimir Putin, conversou por telefone com o primeiro-ministroda Grã-Bretanha, Tony Blair, e ressaltou a necessidade deconceder mais tempo para que os inspetores procurem as armas de destruição em massa das quais o Iraque é acusado de armazenar.O secretário-geral da ONU, Kofi Annan, também enfatizou anecessidade de se dar mais tempo para que os inspetorestrabalhem. "Eles deveriam ter mais tempo para trabalhar. Todos nós precisamos ter consciência de que mais tempo será necessário. Uma quantidade de tempo razoável. Não estou dizendo ´para sempre´, mas eles precisam de tempo para desempenhar suas funções e eu suspeito que o conselho permitirá que isso ocorra" disse Annan a jornalistas.Washington, por sua vez, rejeita o pedido de mais tempo detrabalho para os inspetores. "Se alguém pede mais tempo, quantomais tempo se dá mais tempo essa pessoa terá para se esquivar",disse o porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer. "O Iraque estáse esquivando dos inspetores", garantiu.No Oriente Médio, milhares de árabes saíram às ruas dediversas cidades para protestar contra o que observam como umaguerra inevitável dos EUA contra o Iraque. Eles gritaram frasesantiamericanas e queimaram bandeiras dos Estados Unidos.O primeiro-ministro da Turquia, Abdullah Gul disse que aresponsabilidade de evitar a guerra é do Iraque, mas lembrou sernecessária uma nova resolução do CS da ONU antes de qualqueração armada.A Grã-Bretanha é o principal aliado dos EUA com relação àsuposta necessidade de uma guerra contra o Iraque. Porém,segundo pesquisas e relatos da imprensa, o apoio do governo àguerra não reflete a posição do povo britânico nem de membros do Partido Trabalhista, ao qual pertence o primeiro-ministro TonyBlair.O parlamentar trabalhista Alan Simpson declarou: "Dêem achance para que haja tempo em vez de tropas e inspeções em vezde invasão. Só encontraremos uma arma fumegante. E ela está nasmãos de George W. Bush."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.