Mundo pode não atingir meta de ensino básico para todos em 2015

Quase 1 bilhão de pessoas não receberãoqualquer tipo de educação formal porque os governos do mundotodo estão deixando de cumprir a promessa de fornecer educaçãoprimária e gratuita a todos até 2015, afirmaram grupos de ajudana quarta-feira. Em um encontro realizado na capital do Senegal, Dacar, em2000, governos de 164 países acertaram várias metas, entre asquais a de fornecer cursos de boa qualidade do ensino básicopara todo mundo e de aumentar em 50 por cento o número deadultos alfabetizados até a metade da próxima década. Na metade do caminho antes do fim do prazo, os países maisricos não estão cumprindo as promessas de ajudar os maispobres. E as metas continuam a ser um alvo distante, segundo aCampanha Global para a Educação (GCE na sigla em inglês), quereúne milhares de sindicatos de professores e grupos dasociedade civil, entre os quais o Save the Children e a Oxfam. "Se a performance atual for mantida, perto de 1 bilhão depessoas não receberão educação formal durante sua vida, muitomenos nos próximos sete anos", afirmou Nelida Cespedes, umaperuana que integra o quadro de diretores da GCE. A educação primária universal até 2015 é uma das oito Metasde Desenvolvimento do Milênio acatadas por governos do mundotodo. O grupo ativista disse em um relatório que 72 milhões decrianças continuavam sem frequentar o ensino básico e que 774milhões de adultos --um de cada cinco-- continuam sendoanalfabetos. Apesar de muitas dessas pessoas morarem na África, o estudoafirmou que vários governos africanos haviam avançado nosesforços para melhorar o acesso à educação. A publicação do documento aconteceu junto com a realizaçãode um encontro, em Dacar, de ministros da Educação eespecialistas do setor vindos do mundo todo. O evento écomandado pelo presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, e pelodiretor-geral da Unesco (Organização das Nações Unidas para aEducação, a Ciência e a Cultura), Koichiro Matsuura. "Precisaremos de mais 18 milhões de novos professores até2015. Desses, 4 milhões apenas na África subsaariana," disseMatsuura durante o encontro, do qual participaram centenas demilhares de alunos de escola. PAÍSES RICOS EM FALTA Em um relatório divulgado no mês passado, a Unesco afirmouavanços estavam sendo realizados. Entre 1999 e 2005, o númerode crianças matriculadas no ensino básico aumentou 36 por centona África subsaariana e 22 por cento no sul e no oeste da Ásia. Mas a entidade observou que a ajuda estrangeira para osetor educacional estava "muito aquém dos 11 bilhões de dólaresnecessários anualmente" e não era dirigida em volume suficienteà África ou à educação básica. "O maior culpado disso são os países do G8 (Grupo dosOito). Apesar de suas várias promessas, somente um deles, aGrã-Bretanha, está chegando perto de honrar seus compromissos,"afirmou à Reuters, durante o encontro em Dacar, Lucia Fry,conselheira política da GCE.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.