Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Mundo pode perder 1/5 do PIB sem ações climáticas, revela estudo

Mundo pode perder 1/5 do PIB sem ações climáticas, revela estudo

As economias da Ásia seriam as mais atingidas, com a China correndo o risco de perder quase 24% de seu PIB

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2021 | 15h39

ZURIQUE - A economia global pode perder quase um quinto da produção econômica até 2050 se o mundo não controlar as mudanças climáticas, com a Ásia particularmente em risco, mostrou um estudo divulgado pela resseguradora Swiss Re nesta quinta-feira, 22.

O relatório do Swiss Re Institute disse que a produção poderia ser 18% menor do que em um mundo com mudanças climáticas caso nenhuma ação mitigadora seja tomada e as temperaturas subam 3,2 graus centígrados.

Se as metas do Acordo de Paris forem cumpridas e a temperatura subir menos de 2°C, a perda pode ser limitada a 4%, concluiu o estudo.

"As economias da Ásia seriam as mais atingidas, com a China correndo o risco de perder quase 24% de seu PIB em um cenário severo, enquanto a maior economia do mundo, os Estados Unidos, perderia perto de 10% e a Europa quase 11%", mostrou o relatório.

A pesquisa examinou como 48 economias seriam afetadas pelos efeitos das mudanças climáticas em quatro cenários diferentes de aumento de temperatura.

Como o aquecimento global torna o impacto dos desastres naturais relacionados ao clima mais severo, ele pode levar a perdas substanciais de renda e produtividade ao longo do tempo, disse o relatório.

O aumento do nível do mar, por exemplo, resulta na perda de terras que poderiam ter sido usadas de forma produtiva, enquanto o estresse térmico pode levar a perdas de safra. As economias emergentes nas regiões equatoriais seriam as mais afetadas pelo aumento das temperaturas. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.