Mundo vem perdendo a guerra contra a fome, diz ONU

O mundo está perdendo a batalha contra a fome, diz relatório da ONU. O número de pessoas desnutridas nos países em desenvolvimento já chega a mais de 800 milhões e segue crescendo. Os números mostram que o compromisso internacional de reduzir a fome à metade até 2015 está difícil de ser cumprido - no mundo em desenvolvimento, a quantidade atual de desnutridos é apenas 9 milhões de pessoas inferior à do período 1990-1992. Mas o relatório do Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) afirma que o objetivo ainda é factível, e que o progresso rumo à meta dará aos países amplo retorno em termos de produtividade e renda. O texto propõe uma combinação de programas para estimular a produtividade agrícola e o auxílio alimentar direto, a fim de atingir o alvo de 2015. Um outro relatório, da Oganização Internacional do Trabalho, também apontou aumento do número de trabalhadores vivendo abaixo da linha de pobreza.Embora o número de famintos dos países em desenvolvimento tenha caído no início dos anos 90, a tendência reverteu-se, diz o relatório anula sobre a fome no mundo. O texto detalha o custo humano da fome, dizendo que, nos níveis atuais, desnutrição causa a morte de 5 milhões de crianças a cada ano - uma a cada cinco segundos. O relatório também oferece argumentos econômicos, ao firmar que cada dólar gasto no combate à fome produz 20 dólares de retorno.Segundo o texto, mais de 30 países, com população total de 2,2 bilhões, reduziram os níveis de fome em 25%, desde o período 1990-92. Na segunda metade da década de 90, a proporção de famintos na população mundial caiu de 20% para 18%. O recente aumento na taxa de desnutrição é atribuído aos dois países mais populosos do mundo, China e Índia. Ambos haviam registrado progressos anteriormente. Segundo a FAO, no mundo em desenvolvimento apenas a América Latina viu redução na fome no final dos anos 90. África, Ásia e Oriente Médio viram taxas em ascensão.

Agencia Estado,

08 de dezembro de 2004 | 18h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.