Munição achada em Basra teria agente químico

Testes preliminares indicaram que 36 granadas de morteiros de 120 mm encontradas no sábado pelas tropas da Dinamarca e da Islândia, integrantes das forças de ocupação no sul do Iraque, continham um agente químico líquido que afeta a pele, disseram militares dinamarqueses. A análise inicial, feita por experts britânicos, não é conclusiva e novos testes serão feitos. O porta-voz das forças americanas, brigadeiro Mark Kimmit, disse que as bombas são do período da Guerra Irã-Iraque (1980-1988). Localizadas nas imediações de Al-Quarnah, na região de Basra, no sul do país, elas estavam embrulhadas em plástico, mas danificadas. Acredita-se que tenham sido enterradas há pelo menos dez anos. As granadas formariam parte de um arsenal maior, empregado contra o Irã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.