REUTERS/Fernando Carranza
REUTERS/Fernando Carranza

Município mexicano demite 119 policiais envolvidos com crime organizado

Inicialmente, 185 agentes de San Martín Texmelucan, em Puebla, foram afastados das funções e submetidos a investigação por envolvimento com quadrilha especializada em roubo de combustível que, só em abril, deu prejuízo de US$ 1,57 bilhão à estatal Pemex

O Estado de S.Paulo

03 Maio 2018 | 11h08

SAN MARTÍN TEXMELUCAN, MÉXICO - Um grupo de 119 policiais do município mexicano de San Martín Texmelucan, no Estado de Puebla, foi demitido na quarta-feira por envolvimento com quadrilhas especializadas no roubo de combustíveis, informou o governo Estadual.

Cartéis do México terceirizam dissolução de vítimas em ácido

Inicialmente, 185 agentes de San Martín Texmelucan, considerado o novo epicentro do roubo de combustíveis que atinge principalmente os oleodutos da estatal Pemex, foram desarmados e submetidos a uma investigação.

No fim do dia, após uma análise inicial das provas, a secretaria de Segurança Pública confirmou a destituição de 119 agentes, entre eles o diretor da polícia e outros três comandantes. Todos os casos foram enviados à Procuradoria estadual.

San Martín Texmelucan, a 98 km da Cidade do México, está situada no chamado "Triângulo Vermelho", onde o roubo de combustíveis envolve quadrilhas ligadas ao narcotráfico que, nas últimas semanas, foi responsável por execuções violentas e a descoberta de corpos desmembrados nas ruas.

México bate recorde de jornalistas mortos em 2017

"Os acontecimentos em San Martín Texmelucan são considerados alterações graves da ordem pública e, por isso, decreto que a polícia estadual assuma o controle deste município pelo tempo que for necessário", afirmou o secretário-geral do governo de Puebla, Diódoro Carrasco. "As autoridades municipais foram incapazes de garantir a segurança."

Em abril, a Pemex relatou o roubo e tráfico de combustível que resultaram em perdas estimadas em 30 bilhões de pesos mexicanos (US$ 1,57 bilhão).

A substituição da polícia local devido à infiltração do crime organizado é uma situação recorrente no México. No fim de 2014 as forças federais precisaram assumir as funções policiais em 14 municípios do Estado de Guerero, no sul, e México, no centro, em razão da conexão dos agentes com a criminalidade.

Em novembro daquele ano, o presidente Enrique Peña Nieto lançou uma proposta de reforma constitucional para eliminar as polícias municipais e substituí-las por forças únicas estaduais, mas a iniciativa não prosperou. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.