Mural maia de 2.000 anos é encontrado por acaso

Um arqueólogo encontrou por mera casualidade um mural maia de cerca de 2.000 anos totalmente intacto em meio à selva guatemalteca. William Saturno, da Universidade de New Hampshire, caminhava pelo subsolo de uma pirâmide quando de repente a luz de sua lanterna apontou para uma parede que exibia um mural quase intacto de quase 1 metro de altura e 18 de comprimento. A descoberta foi feita no sítio arqueológico de San Bartolo, em uma região selvagem do departamento (estado) de Petén, perto das fronteiras com o México e Belize. Saturno, que descobriu o mural há um ano, conta com o apoio da National Geographic Society e do museu Peabody da Universidade de Harvard para proteger sua descoberta e dar início a um projeto de escavação que durará cinco anos. Um informe sobre suas pesquisas será publicado na edição de abril da revista da National Geographic. Por volta do ano 100Saturno explicou que o estilo artístico do mural é similar ao dos pintados por volta do ano 100 D. C. e ao dos amuletos e ornamentos dessa época. O mais surpreendente, segundo o arqueólogo, é o fato de a pintura na parede estar inteiramente intacta. "Nunca vimos algo semelhante", disse o especialista em arte e religião maia Karle Taube, do Universidade da Califórnia. "Não sabíamos que nesse período houvesse uma tradição mural tão elaborada". O porta-voz do Ministério da Cultura guatemalteco, Neftali González, disse que o governo da Guatemala colaborará nas pesquisas que serão realizadas no sítio arqueológico e que dá prioridade a "trabalhar na proteção do lugar". Dos estudos participará a arqueóloga guatemalteca Mónica Arvizú. ?O local está ameaçado por depredadores de sítios arqueológicos maias?, disse González. ?O complexo foi alvo de saques, encontraram-se perfurações que ocasionaram danos parciais." Ele esclareceu no entanto que isso ocorreu antes da descoberta do mural, em março de 2001. "É necessário realizar um trabalho de resgate e proteção do mural e dos outros elementos históricos do sítio."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.