Muralha da China será protegida por guardas patrimoniais

Uma equipe de ´guardas patrimoniais´ equipada com distanciômetros a laser, sistemas de posicionamento global (GPS) e câmeras digitais fará registros minuciosos da Muralha da China, informa nesta quarta-feira o jornal China Daily. A investigação faz parte de um projeto de dez anos para proteger a obra, de cerca de seis mil quilômetros de extensão, considerada Patrimônio Histórico da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Durante dois anos, centenas de especialistas participarão do estudo e, assim que for finalizado, terá início um programa de restauração do monumento, que tem apenas uma quinta parte da estrutura preservada, disse o subdiretor do Departamento de Proteção Patrimonial da China, Chai Xiaoming. "Em 2014, ano previsto para o término do projeto, não teremos apenas uma imagem completa das condições atuais da Muralha, mas também um marco legal básico para sua proteção", acrescentou. Dentro do programa está incluído também um patrulhamento que tem como objetivo evitar que turistas façam fixações ou deixem registros próprios nas pedras do monumento, de mais de dois mil anos, que foi construído para proteger a China de invasores do norte da Ásia.

Agencia Estado,

15 Março 2006 | 05h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.