Murdoch é pressionado a rever compra de TV

LONDRES

, O Estado de S.Paulo

12 de julho de 2011 | 00h00

Em meio ao escândalo de grampos telefônicos que prejudicam a imagem do primeiro-ministro David Cameron, o governo britânico busca uma maneira de evitar que o magnata Rupert Murdoch compre a empresa de comunicações via satélite British Sky Broadcasting (BSkyB).

Ontem, o vice-primeiro-ministro Nick Clegg, do Partido Liberal Democrata, pediu a Murdoch que reconsidere sua proposta após as denúncias de que um de seus jornais, o tabloide News of the World, grampeou os telefones de celebridades, políticos, vítimas de homicídio e parentes de soldados britânicos mortos no Iraque e Afeganistão.

"Faça a coisa certa e reconsidere sua proposta de compra da BSkyB", disse Clegg à rede de TV BBC, depois de um encontro com parentes de uma das vítimas das escutas ilegais.

Londres já pediu ao Ofcom, órgão que regula as TVs na Grã-Bretanha, e ao Office of Fair Trading (OFT), agência do governo que fiscaliza as práticas comerciais no país, que reavaliem a proposta de Murdoch após o escândalo dos grampos.

Clegg tornou-se a figura mais graduada do governo britânico a se posicionar contra a proposta da News Corp., empresa de Murdoch. O partido do vice-premiê, o Liberal Democrata, tem um histórico de problemas com alguns dos jornais do magnata.

O governo também deve levar em conta a rejeição dos eleitores em relação à News Corp. e ao acordo. Uma pesquisa publicada recentemente mostrou que apenas 9% dos britânicos apoiam o negócio, enquanto 70% desejam que ele não ocorra.

A posição de Clegg é parecida com a do Partido Trabalhista, de oposição, que já prometeu atrasar uma votação parlamentar sobre o acordo até a conclusão das investigações, o que aumentará a pressão sobre o governo. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.