Murdoch prejudica investigação, diz comissão

De acordo com relatório parlamentar, houve 'tentativas deliberadas' de atrapalhar investigações

, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2011 | 00h00

LONDRES - Uma comissão parlamentar britânica que investiga o escândalos das escutas ilegais do tabloide News of the World, acusou o império de Rupert Murdoch de prejudicar as investigações.

Uma comissão de assuntos internos da Câmara dos Comuns, que interrogou as pessoas envolvidas divulgou um relatório contundente ontem, em que aponta para um "catálogo de erros" na condução das investigações.

A comissão de assuntos internos interrogou policiais, incluindo Paul Stephenson, ex-chefe da polícia londrina e John Yates, seu ex-subchefe. Ambos se demitiram na semana passada.

De acordo com o relatório, houve "tentativas deliberadas da News International de prejudicar as várias investigações" sobre as escutas ilícitas.

Segundo a comissão, a Scotland Yard não demonstrou nenhuma "disposição de fato" para investigar a fundo essas tentativas. O exame das evidências por John Yates, em 2009, foi "muito pobre" e ele "errou gravemente" ao não ordenar uma reabertura da investigação.

"Houve uma série de erros cometidos pela polícia metropolitana e tentativas deliberadas por parte da News International para frustrar as várias investigações", declarou o presidente da comissão de assuntos internos da Câmara dos Comuns, Keith Vaz, referindo-se às novas tentativas da polícia e de uma comissão de inquérito separada, criada pelo premiê David Cameron.

"As novas investigações exigem recursos adicionais e se não forem fornecidos, levará anos para informar todas as vítimas potenciais", disse o deputado. O relatório deixou claro a sensação, entre os parlamentares, de que eles têm a possibilidade de ir muito mais a fundo no caso. / NYT

 

Leia mais:

lista ENTENDA: O escândalo dos grampos na Inglaterra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.