Muro pode levar EUA a reduzir crédito para Israel

Os EUA estão estudando a redução nas garantias de empréstimos para Israel, por causa da barreira que esse país está construindo entre seu território e a Cisjordânia, incorporando em algumas áreas terras palestinas. A medida se aplicaria a créditos de US$ 9 bilhões, aprovados há alguns meses. Hoje, o secretário de Estado, Colin Powell, afirmou que os EUA estão preocupados como fato de "a cerca cruzar a terra de outros". A referência à "terra dos outros" aparentemente representa um endurecimento da posição dos EUA.O muro é formado por estruturas de concreto e cercas, entre outros recursos para impedir a entrada de extremistas palestinos no país. Os EUA poderiam bloquear os créditos porque uma lei americana estabelece que eles não podem ser gastos nas colônias judaicas na Faixa de Gaza e Cisjordânia, territórios árabes ocupados por Israel em 1967.Mas o Departamento de Estado procurou esfriar a questão, dizendo ser prematuro falar no assunto. "Estamos exortando os israelenses a reavaliar o traçado da cerca. Eles disseram que estão reestudando a cerca e levando nossas posições em consideração", disse um funcionário.O presidente George H. Bush (1989-1993) - pai do atual líder - usou a ajuda dada a Israel para pressionar esse país a concordar em participar da conferência de paz de Madri, em 1991, que resultou nos acordos de paz de Oslo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.