AP
AP

Muros e suas histórias

Barreiras sempre foram construídas para conter o terrorismo, imigrantes, entrada de drogas e armas nos países; elas são consideradas respostas simples, mas não resolvem problemas complexos

Redação, O Estado de S.Paulo

11 Janeiro 2019 | 11h19

O presidente americano do século 21 Donald Trump, um homem de negócios conhecido em diferentes partes do mundo, levou a sua presidência a um dos símbolos mais medievais que existem: um muro. A barreira para conter a imigração na fronteira sul dos EUA vem sendo evitada por diferentes governos do país, mas já foi utilizada em diferentes momentos da História para manter a separação de populações.

De Gaza ao México, muros foram erguidos para conter o terrorismo, a entrada de imigrantes, drogas e armas em diferentes países. Relembre alguns exemplos:

Cerca da Hungria

Mais de 400 mil imigrantes e refugiados atravessaram a fronteira da Sérvia e Croácia para a Hungria em 2015, o que levou o governo húngaro a iniciar a construção de cercas que impedissem a passagem para a Europa Ocidental, principalmente Alemanha, França e Suécia. As construções terminaram em 2017.

O primeiro-ministro húngaro, o populista Viktor Orban, comemorou o feito afirmando que as barreiras não pode ser cruzadas. Uma delas tem três metros de altura e 155 quilômetros de extensão, com sensores instalados a cada 15 centímetros para alertar quando alguém tenta passar.

Muro de Gaza

Israel construiu em 2002 um muro de concreto com 700 quilômetros de extensão e equipado com câmeras e torres de vigia, dentre outros recursos para dificultar a passagem. Entre os israelenses, a barreira é conhecida como “muro da separação” e, entre os palestinos, como “muro do Apartheid”.

No lado sul, o Egito ergueu 11 quilômetros de extensão de placas de aço com portarias para permitir a passagem de pessoas. Além dos dois metros de altura, a obra tem ainda 18 metros subterrâneos que impedem o contrabando de armas e passagem de pessoas abaixo do solo. Em 2017, Israel decidiu fazer uma obra similar, investindo US$ 810 milhões para impedir as passagens subterrâneas do Hamas. Deve ficar pronto em 2019.

Muro de Berlim

Talvez o muro mais conhecido no Ocidente, o Muro de Berlim dividiu a Alemanha após a 2ª Guerra. Surgiu a partir de 1961 e foi derrubado pelos próprios alemães em 1989, marcando o fim da Guerra Fria.

A obra dividia Berlim entre a Alemanha Ocidental (capitalista) e Oriental (comunista), fazendo com que ruas tivessem de ser adaptadas e famílias fossem separadas, apesar dos oito pontos de passagem na fronteira. Armadilhas para evitar fugas, canaletas anti-veículos e cercas elétricas estavam entre algumas das medidas tomadas para capturar fugitivos. Os soldados das torres de vigia tinham permissão para atirar em qualquer um que ultrapassasse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.