REUTERS/Agustin Marcarian
REUTERS/Agustin Marcarian

Museu argentino do Holocausto exibirá objetos nazistas encontrados em casa de colecionador

Peças foram examinadas por peritos argentinos e alemães que atestaram sua originalidade

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de outubro de 2019 | 18h58

BUENOS AIRES - Uma ampulheta pertencente a um membro da SS, uma águia sentada sobre uma base marcada por uma suástica e jogos de doutrinação de crianças são alguns dos objetos nazistas encontrados no esconderijo secreto de um colecionador que agora serão exibidos no Museu do Holocausto argentino. 

“Esses elementos poderão nos mostrar parte dessa história terrível que foi o genocídio nazista”, disse Marcelo Mindlin, presidente do museu localizado em Buenos Aires, à agência Reuters.

“A grande surpresa desses objetos foi que não podiam ter pertencido a ninguém que não fosse um hierarca nazista”, acrescentou, referindo-se à originalidade das peças. Os objetos foram examinados por peritos argentinos e alemães que garantiram que eles pertenceram ao regime nazista.

Peças foram encontradas em casa de vendedor de antiguidades 

Em 2017, a casa de Carlos Olivares, um colecionador e vendedor de antiguidades reconhecido de um subúrbio afluente de Buenos Aires, foi alvo de uma busca por suposto tráfico de objetos ilegais provenientes da China

Mas os policiais ficaram surpresos ao encontrar um cômodo secreto com mais de 80 relíquias nazistas, disse Néstor Roncaglia, chefe da Polícia Federal Argentina.

Dois anos depois de a justiça argentina apreender os objetos, Olivares está sendo julgado por tê-los guardado com fins comerciais. 

Na coleção também foram encontrados instrumentos de medição cranial; uma foto original de uma aeronave feita pelo fotógrafo oficial de Adolph Hitler, Heinrich Hoffmann; um jogo de lupas com um negativo original de Hitler observando um mapa e uma tábua ouija para invocar os mortos. 

Segundo Serafina Perri, curadora do museu, a tábua ouija foi feita em Amsterdã e contava com inscrições de símbolos nazistas, uma indicação do esoterismo e do ocultismo presentes no nazismo.

“Isto significa o poder dos nazistas e o sentimento forte que tinham pelo nazismo para poder investir e gastar nestes objetos”, explicou Eva Fon De Rosenthal, uma sobrevivente húngara de 94 anos do Holocausto. 

Argentina recebeu sobreviventes do Holocausto e nazistas após a guerra 

“Havia milhares e milhares de nazistas aqui, que ajudaram muito a Alemanha”, disse Rosenthal em referência ao colaboracionismo nazista existente na Argentina após a 2ª Guerra, uma afirmação com a qual o presidente do museu concordou.

“Estes elementos mostram novamente que a Argentina não somente recebeu sobreviventes do Holocausto, mas também, infelizmente, hierarcas nazistas”, afirmou Mindlin. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.