Musharraf descarta renúncia, apesar do fracasso em eleições

Para The Wall Street Journal, presidente diz que importante é seguir adiante para formar um Governo estável

Efe,

20 de fevereiro de 2008 | 03h48

O presidente paquistanês, Pervez Musharraf, descartou a possibilidade de renunciar a seu cargo, apesar da derrota sofrida por seu partido, Liga Muçulmana do Paquistão-Quaid (PML-Q), nas eleições gerais realizadas na última segunda-feira. Em declarações à edição digital do The Wall Street Journal, Musharraf disse na terça-feira que o importante agora é seguir adiante para ajudar a formar um Governo estável no Paquistão. Ele havia assegurado anteriormente que apoiaria o partido que ganhasse as eleições. Segundo os dados da Comissão Eleitoral, o Partido Popular do Paquistão (PPP) da ex-primeira-ministra assassinada Benazir Bhutto, se tornou a primeira força do Parlamento paquistanês, embora com uma maioria relativa, que o forçaria a fazer alianças para conseguir formar um Governo. O PPP obteve 86 cadeiras, seguido pelo também opositor Liga Muçulmana do Paquistão-Nawaz (PML-N), do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif, que ficou com 65. O PML-Q do presidente Pervez Musharraf ficou como terceira força, com 37 deputados. Em entrevista coletiva, o viúvo de Bhutto e novo líder do PPP, Asif Zardari, se mostrou disposto a fazer uma aliança para governar, embora tenha exigido a seus futuros parceiros que aceitem reabrir a investigação para esclarecer o atentado contra sua esposa.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.