Musharraf mantém posição sobre a Caxemira

A posição de Islamabad sobre a Caxemira não mudou e o problema deve ser resolvido através de negociações, com a ajuda da comunidade internacional, disse hoje o presidente paquistanês, general Pervez Musharraf, em um discurso à população. Em tom enérgico, Musharraf advertiu a Índia a não se arriscar a atravessar a fronteira com o Paquistão porque seu país está pronto a combater até à última gota de sangue. Islamabad também baniu dois grupos extremistas da Caxemira - o Jaish-e-Muhammed e o Lashkar-e-Tayyaba, um sunita e outro xiita - aos quais a Índia atribuiu a responsabilidade pelo ataque de 13 de dezembro ao Parlamento indiano. Em sua mensagem, o governante paquistanês condenou o fundamentalismo islâmico, dizendo que ele prejudicou a imagem do país e criou um Estado dentro do Estado.

Agencia Estado,

12 Janeiro 2002 | 14h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.