Musharraf participará da sessão tribal para discutir violência

Centenas de líderes tribais paquistaneses e afegãos discutem crescente violência de militantes islâmicos

Associated Press,

10 de agosto de 2007 | 15h55

O presidente do Paquistão, general Pervez Musharraf, concordou nesta sexta-feira, 10, em participar da sessão de encerramento de um encontro de centenas de líderes tribais paquistaneses e afegãos discutindo a crescente violência de militantes islâmicos ao longo da fronteira comum. Musharraf cancelou abruptamente na quinta-feira sua ida a Cabul para a abertura do conselho, ou jirga, de paz, alegando compromissos internos. Sua desistência aprofundou dúvidas sobre se o conselho teria alguma relevância, já que ele já havia sido boicotado por líderes tribais da zona fronteiriça mais volátil do Paquistão, e onde oficiais dos EUA afirmam que a Al-Qaeda e o Taleban estão se reagrupando. O Ministério do Exterior paquistanês anunciou num comunicado que o presidente afegão, Hamid Karzai, telefonou na noite desta sexta-feira para Musharraf para pedir que ele participasse da sessão de encerramento no domingo porque sua presença seria "uma fonte de apoio e encorajamento para o processo da jirga". Musharraf concordou "em princípio" em discursar na sessão de encerramento, acrescentou o comunicado, sem entrar em detalhes. Um funcionário do escritório de Musharraf disse que o compromisso não é definitivo porque o governo não adianta movimentos de Musharraf por questões de segurança. Delegados dos dois países se dividiram hoje em cinco comitês para discutir investigação de grupos terroristas, compartilhamento de inteligência e drogas - uma das maiores fontes de financiamento dos militantes do Taleban, segundo Alimi Balkhi, um legislador afegão que preside um dos grupos de trabalho. O primeiro-ministro paquistanês, Shaukat Aziz, enviado por Musharraf para substituí-lo na jirga, admitiu que militantes taleban cruzam a porosa fronteira entre os dois países e têm apoio de tribais do Paquistão. A atuação conjunta dos militantes tem deteriorado a relação entre os dois países, no momento em que partidários do regime do Taleban, derrubado pelas forças dos EUA em 2001, têm intensificado seus ataques, desestabilizando o Afeganistão. A idéia da jirga de paz foi levantada cerca de um ano atrás durante um encontro na Casa Branca entre o presidente George W. Bush, Karzai e Musharraf. Musharraf desistiu de participar do conselho no último minuto. Foi vazado posteriormente que ele estava discutindo com assessores e oficiais a imposição de um estado de emergência no Paquistão, que enfrenta uma crescente crise política enquanto Musharraf busca um novo mandato presidencial. Na quinta-feira, após receber um telefonema da secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, Musharraf desistiu da idéia de decretar o estado de emergência.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoPervez Musharraf

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.