Musharraf quer eleições no Paquistão antes de 9 de janeiro

Presidente diz que tanto a Assembléia Nacional, como as das províncias, serão dissolvidas nas próximas semanas

BBC e Efe,

11 de novembro de 2007 | 10h38

O presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, disse neste domingo, 11, que espera que as eleições parlamentares sejam realizadas até o dia 9 de janeiro. Musharraf, no entanto, não estabeleceu uma data para a suspensão do estado de exceção no país, decretado por ele no sábado passado. Durante sua primeira entrevista coletiva desde que impôs severas restrições no Paquistão, Musharraf disse que tanto a Assembléia Nacional, como as das províncias, serão dissolvidas nas próximas semanas. O presidente pediu que a Comissão Eleitoral organize o pleito e disse que caberá à instituição determinar uma data exata para as eleições. "Eu pediria que a Comissão Eleitoral realize as eleições o mais rápido possível, o que significa que se calcularmos de 45 a 60 dias a partir do dia 20 de novembro (quando as assembléias estarão dissolvidas), deveremos ter eleições antes de 9 de janeiro, data que coincide com o início do Moharram (mês de sacrifício para os muçulmanos)", disse Musharraf. "Interesse nacional" O presidente defendeu sua decisão de decretar o estado de emergência, insistiu não ter feito "nada de errado" e negou ter "violado a Constituição". "Desafio qualquer um a que mostre que em algum momento fui contra a Constituição", disse Musharraf em entrevista coletiva. Musharraf disse que "assume a responsabilidade" por seus atos e que o estado de exceção "é do interesse nacional". "Foi a decisão mais difícil da minha vida", disse o presidente. Musharraf disse que não vai interferir na organização das eleições e que as restrições impostas no país há oito dias são necessárias para que o pleito ocorra "dentro da normalidade" e para que o Exército continue com sua "luta contra o terror". Bhutto O líder paquistanês também sinalizou que pretende renunciar de seu posto de chefe das forças armadas, o que faria dele um presidente civil, mas também não precisou quando isto ocorrerá. Segundo Musharraf, isto vai depender do tempo que a Suprema Corte vai levar para validar sua candidatura para as eleições ocorridas em 6 de outubro, das quais ele saiu vitorioso. O presidente evitou responder perguntas de jornalistas sobre uma possível aliança que estava sendo negociada com a ex-primeira-ministra Benazir Bhutto antes da imposição do estado de exceção. Ao ser indagado por um dos repórteres estrangeiros sobre a crescente popularidade da ex-premiê - que assumiu a frente da campanha de oposição ao governo -, Musharraf disse que Bhutto não é popular no país. "Você não conhece o Paquistão", disse o presidente.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoMusharrafBhutto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.