Músico húngaro morre ao tentar salvar violino de naufrágio

Sandor Feher, de 38 anos, já estava de colete salva-vidas quando decidiu voltar para resgatar o instrumento

ROMA, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2012 | 03h06

Sandor Feher, de 38 anos, estava a bordo do navio de cruzeiro Costa Concordia a trabalho. O violinista húngaro era um dos muitos músicos que trabalhavam na embarcação para entreter os passageiros durante a viagem. Sua paixão pelo violino foi a responsável por torná-lo 1 dos 11 mortos na tragédia.

De acordo com relatos de Jozsef Balog, um pianista que estava trabalhando com Feher no navio, o violonista já estava usando um colete salva-vidas quando decidiu voltar para sua cabine para salvar seu violino. Balog disse que Feher ajudou muitas crianças a vestir coletes salva-vidas antes de tentar voltar para sua cabine. O músico foi visto pela última vez no caminho para a área onde ele deveria embarcar num bote salva-vidas.

O corpo de Feher - encontrado dentro da carcaça da embarcação - foi identificado por sua mãe, que viajou para a cidade italiana de Grosseto, segundo a chancelaria húngara.

O dançarino britânico James Thomas estava trabalhando no Costa Concordia havia apenas seis meses quando o naufrágio ocorreu. Thomas, de 19 anos, teve um papel importante no salvamento de passageiros. Observando um vão entre o andar onde estavam muitos dos passageiros e o andar onde estava ocorrendo o embarque em botes salva-vidas, o jovem usou o corpo como uma espécie de "escada humana", deixando homens e mulheres passarem por ele para ter acesso às equipes de salvamento.

"Nós não conseguíamos chegar aos botes salva-vidas, pois estavam presos ao lado do navio. Foi assustador. As pessoas não conseguiam descer, era muito alto, então eu me coloquei na posição (de escada). Agarrei um bote salva-vidas com um braço e o piso superior com outro e deixei que as pessoas pisassem no meu ombro e descessem pelo meu corpo", disse Thomas.

Desaparecidos. Entre os 21 desaparecidos, estão uma menina italiana de 5 anos e seu pai, um casal de americanos de Michigan, aposentados da Alemanha e tripulantes do Peru e da Índia.

O casal americano Jerry e Barbara Heil estava no cruzeiro de férias. "Eles nunca tiveram muito dinheiro", disse Sarah Heil, filha de Jerry e Barbara, casados por 43 anos. "Então quando se aposentaram, foram viajar. E isso era um grande feito para eles, uma viagem de 16 dias. Eles estavam bastante animados." / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.