Músico Ravi Shankar morre aos 92 anos nos EUA

Ravi Shankar, o citarista mundialmente famoso que conquistou seguidores em todo o planeta e foi pioneiro na realização de concertos musicais com renda revertida para a caridade, morreu nesta quarta-feira, aos 92 anos.

AE, Agência Estado

12 de dezembro de 2012 | 14h44

Em seu site oficial, foi publicado o seguinte comunicado: "É com profunda dor e tristeza que lamentamos a morte de Pandit Ravi Shankar, em 11 de dezembro de 2012. Ele morreu em San Diego, às 4h30, horário da costa oeste (10h30 em Brasília). Ele tinha 92 anos."

O comunicado diz também que ele morreu ao lado da mulher e da filha. A fundação que leva o nome do músico informou que ele sofria de problemas respiratórios e cardíacos e havia passado por uma cirurgia para a substituição de uma válvula cardíaca na semana passada.

Shankar influenciou a música dos Beatles e era pai da cantora de jazz Norah Jones, com quem não teve contato durante a infância. Outra de suas filhas (com outra mulher), Anoushka Shankar, também é uma conhecida citarista.

Nascido em 1920 em Varanasi, numa conhecida família brâmane, Shankar abdicou de uma possível carreira de dançarino para estudar cítara, tornando-se conhecido no Ocidente na década de 1960, atraído a atenção do Beatle George Harrison, que se tornou seu aluno, e influenciando a música de outros artistas como John Coltrane, Yehudi Menuhin e David Crosby. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ÍndiaRavi Shankaróbito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.