Mutação do vírus da Sars preocupa médicos

Pesquisadores da Universidade de Hong Kong anunciaram nesta sexta-feira que o vírus causador da Sars está sofrendo mutações rapidamente, o que poderia complicar os trabalhos de desenvolvimento de um exame diagnóstico mais rápido e também de uma possível vacina contra a doença. Médicos também anunciaram que o vírus da pneumonia atípica pode permanecer sem ser descoberto em pacientes infectados por mais de um mês. A informação foi divulgada enquanto funcionários de Hong Kong admitiam que 12 pacientes que se recuperaram da doença voltaram a ter recaídas. Os novos dados deixam em dúvida a forma como as autoridades dos países mais afetados têm tratado a epidemia."O vírus persiste na urina e nas fezes dos pacientes mesmo após eles terem alta, e continuará por pelo menos mais um mês, ou talvez mais", segundo o doutor Joseph Sung, chefe do Departamento de Medicina da Universidade de Hong Kong."este vírus pode sobreviver no meio ambiente por mais de um", disse Sung. "Por exemplo, se sua saliva cai sobre uma mesa, o vírus continua vivo durante mais de um dia, mesmo quando a saliva seca."Nesta sexta-feira, o número de mortos pela doença subiu para 418 e o de infectados para mais de 5,9 mil. O país mais afetado continua sendo a China, com 181 casos de morte no continente e mais 170 em Hong Kong.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.