Na 2ª Guerra, Japão usou presos em minas

Empresa de premiê foi beneficiada

, O Estadao de S.Paulo

20 de dezembro de 2008 | 00h00

O governo japonês reconheceu ontem, pela primeira vez, ter obrigado prisioneiros de guerra a trabalhar em minas de carvão da família do primeiro-ministro do Japão, Taro Aso, durante a 2ª Guerra.A informação vinha sendo negada havia mais de 60 anos, mas foi confirmada pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar. Um documento de 43 páginas comprova que 300 prisioneiros australianos, britânicos e alemães realizaram trabalhos forçados na Mineradora Aso durante os quatro últimos meses da guerra.Apesar de relatos de sobreviventes, Aso insistia em negar a história dizendo não haver "nenhum fato confirmado". A revelação pode afetar ainda mais a imagem do premiê, que sofreu uma grande queda de popularidade após assumir o cargo, há três meses."Aso tem tentado escapar da responsabilidade", disse o deputado Yukihisa Fujita, do opositor Partido Democrático . "Mas não há lugar para onde ele possa fugir agora, com a revelação destes documentos oficiais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.