Na Alba, Chávez sugere ''zona monetária comum''

Enquanto as grandes potências procuram maneiras de salvar seus mercados da crise financeira, os países integrantes da Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba) reuniram-se ontem na Venezuela para discutir meios de salvaguardar as economias da região.Segundo o presidente venezuelano, Hugo Chávez, os representantes dos países do bloco - Bolívia, Cuba, Dominica, Honduras, Nicarágua e Venezuela - discutiriam a criação de uma "zona monetária comum" durante a reunião em Caracas. "Não vamos esperar de braços cruzados que os fulanos do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial solucionem nossos problemas", disse Chávez. "Não devemos contar com ninguém além de nós mesmos. Claro, estaremos ouvindo as opiniões do G-20, do G-21 ou de qualquer outro G, mas também temos o que dizer."A pedido de Chávez, o presidente equatoriano, Rafael Correa, participou do encontro como observador. "Correa foi convidado de maneira especial para trabalhar nesse tema", afirmou o líder venezuelano. "Ele nos deu luzes sobre uma zona monetária comum rumo a mecanismos de troca comercial e, mais adiante, uma moeda comum."A Alba foi criada em 2004 como contraposição à Área de Livre Comércio das Américas (Alca).Chávez, em apoio ao Equador, disse ontem que Bolívia e Venezuela também farão auditorias de suas dívidas externas. O ministro das Finanças da Venezuela, Ali Rodríguez, disse não haver indício de ilegitimidade nas dívidas de seu país, mas criará uma comissão para analisá-las.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.