Na Amia, 85 vítimas

A lembrança do atentado contra a Embaixada de Israel em Buenos Aires, dois anos antes, ainda estava muito viva na sociedade argentina quando o terror ganhou dimensões ainda maiores. Em 18 de julho de 1994, um novo carro-bomba entrou um metro pelo saguão da Associação Mutual Israelita-Argentina (Amia), pondo abaixo os sete andares do edifício. O ataque deixou 85 mortos e mais de 300 feridos. O atentado contra a Amia ocorreu numa segunda-feira de manhã. Mais uma vez, as suspeitas recaíram sobre funcionários de inteligência da Embaixada do Irã na Argentina, mas nenhum suspeito estrangeiro foi preso ou julgado. A Justiça pediu a extradição de funcionários iranianos, mas Teerã até hoje se nega a acatar a decisão. O único preso foi um vendedor de carros argentino, que teria vendido a van da marca Renault Traffic, que foi carregada com 300 quilos de explosivos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.